A caminho do Araguaia: três trajetórias militantes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/15174522-104561

Palavras-chave:

trajetória militante, ditadura civil-militar, Guerrilha do Araguaia, comunismo

Resumo

Este artigo analisa as trajetórias militantes de Maurício Grabois, Elza Monnerat e João Amazonas, membros do Partido Comunista do Brasil enviados à região do Araguaia para organizar um movimento armado contra a ditadura civil-militar instaurada com o golpe de 1964. O objetivo é apreender o processo de construção do sentido de um engajamento político que implicava em alto risco para os militantes. Em diálogo com a literatura sobre movimentos sociais, são analisadas a disponibilidade biográfica dos agentes, sua identificação ideológica com o movimento, suas redes sociais e o impacto da repressão estatal. Mais velhos do que a média da esquerda armada do período, esses militantes compartilhavam uma longa trajetória no partido comunista, durante a qual as predisposições criadas com a socialização militante foram corroboradas por mudanças no contexto político nacional e internacional, experiências coletivas e individuais de perseguição, clandestinidade, prisão e pelas mudanças ocorridas no interior da sua organização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafaela N. Pannain, Centro Brasileiro de Análise e Planejamento

Doutora em Sociologia, Universidade de São Paulo. Pós-doutorado, Cebrap.

Referências

AGRIKOLIANSKY, Éric. Carrières militantes et vocation à la morale : les militants de la LDH dans les années 1980. Revue française de science politique, v. 51, n. 1-2, p. 27-46, 2001. https://doi.org/10.3917/rfsp.511.0027

ALMEIDA, Paul. Multi-sectoral coalitions and popular movement participation. Research in Social Movements, Conflicts and Change, v. 26, p. 65-99, 2005. http://dx.doi.org/10.1016/S0163-786X(05)26003-2

BERCHT, Verônica. Coração Vermelho: a vida de Elza Monnerat. São Paulo: Fundação Maurício Grabois, Editora Anita Garibaldi, 2013.

BERTOLINO, Osvaldo. Maurício Grabois: uma vida de combates. São Paulo: Fundação Maurício Grabois, Editora Anita Garibaldi, 2012.

BOSI, Lorenzo; DELLA PORTA, Donatella. Micro-mobilization into armed groups: Ideological, instrumental and solidaristic paths. Qualitative Sociology Review, v. 35, p. 361-383, 2012. https://doi.org/10.1007/s11133-012-9237-1

BUONICORE, Augusto. Meu verbo é lutar: a vida e o pensamento de João Amazonas. São Paulo: Fundação Maurício Grabois, Editora Anita Garibaldi, 2012.

CAMPOS FILHO, Romualdo P. A Guerrilha do Araguaia: a esquerda em armas. São Paulo: Fundação Maurício Grabois, Editora Anita Garibaldi, 2012.

COMISSÃO NACIONAL DA VERDADE. Relatório Final, v. II, 2014.

DELLA PORTA, Donatella. Social movements, political violence and the state. A comparative analysis of Italy and Germany. Cambridge: Cambridge University Press, 1995.

DORIA, Palmério et al. A guerrilha do Araguaia. São Paulo: Alfa Omega, 1979.

FILLIEULE, Olivier. Some elements of an interactionist approach to political disengagement. Social Movements Studies, v. 9, n. 1, p 1-15, jan. 2010. https://doi.org/10.1080/14742830903442436

FILLIEULE, Olivier et al. Changer le monde changer sa vie. Enquête sur les militantes et les militants des années 1968 en France. Arles: Actes Sud, 2018.

GORENDER, Jacob. Combate nas trevas. A esquerda brasileira: das ilusões perdidas à luta armada. São Paulo: Editora Ática, 1987.

GOULD, Roger. Multiple networks and mobilization in the Paris Commune, 1871. American Sociological Review, v. 56, n. 6, p. 716-729, dez. 1991. https://doi.org/10.2307/2096251

GRABOIS, Maurício. Discurso pronunciado na Câmara dos Deputados na sessão de 7 de janeiro de 1948, em que foi aprovado o projeto da cassação dos mandatos. Problemas – Revista Mensal de Cultura Política, n. 7, fev. 1948. Disponível em: https://www.marxists.org/portugues/grabois/1948/01/cassacao.htm.

GRABOIS, Maurício. Mobilizar grandes massas para defender a paz e derrotar o imperialismo e a ditadura. Problemas – Revista Mensal de Cultura Política, n. 20, ago./set. 1949. Disponível em: https://www.marxists.org/portugues/grabois/1949/05/mobilizar.htm.

GRABOIS, Maurício. Programa da Frente Democrática de Libertação Nacional. Um Poderoso Instrumento de Luta. Problemas – Revista Mensal de Cultura Política, n. 29, ago./set. 1950. Disponível em: https://www.marxists.org/portugues/grabois/1950/09/programa.htm.

GRABOIS, Maurício. Duas concepções, duas orientações políticas. Revista Princípios, n. 6, jun. 1983 [1960]. Disponível em: https://www.marxists.org/portugues/grabois/1960/mes/duas.htm.

GRABOIS, Victória L. Maurício Grabois: meu Pai. Rio de Janeiro: Editora Hexis, 2012.

LUIZ, Janailson M. Notas sobre a clandestinidade: Francisco Manoel Chaves e a participação negra nas mobilizações comunistas no Brasil. Lutas Sociais, v. 22, n. 40, p. 94-107, 2018. https://doi.org/10.23925/ls.v22i40.46676

McADAM, Doug. Recruitment to high-risk activism: The case of freedom summer. American Journal of Sociology, v. 92, n. 1, p. 64-90, jul. 1986. https://doi.org/10.1086/228463

McADAM, Doug; PAULSEN, Ronnelle. Specifying the relationship between social ties and activism. American Journal of Sociology, v. 99, n. 3, p. 640-667, nov. 1993. https://doi.org/10.1086/230319

MORAIS, Taís; SILVA, Eumano. Operação Araguaia: os arquivos secretos da guerrilha. São Paulo: Geração Editorial, 2011.

PAGIS, Julie. Les incidences biographiques du militantisme em Mai 68. Une enquete sur deux générations familiales : des “soixante-huitards” et leurs enfants scolarisés dans deux écoles expérimentales. 2009. Tese (Doutorado em Sociologia) – École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris, 2009.

POMAR, Wladimir. Araguaia o partido e a guerrilha. São Paulo: Brasil Debates, 1980.

PRESTES, Anita L. 70 anos da Aliança Nacional Libertadora (ANL). Estudos Ibero-Americanos, v. 31, n. 1, p. 101-120, jun. 2005. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2005.1.1328

PRIORI, Angelo. O PCB e a questão agrária: os manifestos e o debate político acerca dos seus temas. In: MAZZEO, Antonio Carlos; LAGOA, Maria Izabel (org.). Corações Vermelhos: os comunistas brasileiros no século XX. São Paulo: Editora Cortez, 2003. p. 61-82.

REIS FILHO, Daniel A. A revolução faltou ao encontro: os comunistas no Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990.

RIDENTI, Marcelo. As oposições à ditadura: resistência e integração. In: REIS FILHO, Daniel A.; RIDENTI, Marcelo; MOTTA, Rodrigo P. S. (org.). A ditadura que mudou o Brasil: 50 anos do golpe de 1964. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2014. p. 30-47.

RIDENTI, Marcelo. O Fantasma da revolução brasileira. São Paulo: Unesp, 2010 [1993].

SALES, Jean R. O Partido Comunista do Brasil nos anos sessenta: estruturação orgânica e atuação política. Cadernos AEL, v. 8, n. 14/15, p. 16-48, 2001.

SALGADO, Maria M. Recrutamento em movimentos de alto risco: o caso da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN). 2015. 178 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

SANTOS, Leonardo S. Do que “os Livros Diziam” à Rua da Glória, n. 52: o PCB e a “questão camponesa” (1927-1947). Revista IDeAS, v. 3, n. 2, p. 389-424, jul./dez. 2009.

TELES, Maria Amélia de A. O protagonismo de mulheres na luta contra a ditadura militar. Revista Interdisciplinar de Direitos Humanos, v. 2, n. 2, p. 9-18, jun. 2014.

VITERNA, Jocelyn. Pulled, pushed, and persuaded: Explaining women’s mobilization into the Salvadoran guerrilla army. American Journal of Sociology, v. 112, n. 1, p. 1-45, jul. 2006. http://dx.doi.org/10.1086/502690

Downloads

Publicado

2021-08-18

Como Citar

PANNAIN, R. N. A caminho do Araguaia: três trajetórias militantes. Sociologias, [S. l.], v. 23, n. 57, p. 300–325, 2021. DOI: 10.1590/15174522-104561. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/104561. Acesso em: 4 dez. 2022.