A dinâmica sistêmica da internalização da sustentabilidade: estudo de caso em uma usina do setor sucroenergético / The systemic dynamics of the internalization of sustainability: a case study in a sugar mill

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/15174522-102487

Palavras-chave:

sistema organizacional, setor sucroenergético, teoria dos sistemas sociais, Niklas Luhmann, sustentabilidade ambiental

Resumo

A proposta do presente trabalho é analisar o processo de internalização da temática da sustentabilidade ambiental numa usina do setor sucroenergético. Para tanto, lançou-se mão da perspectiva teórica de Niklas Luhmann e de sua teoria dos sistemas autorreferenciais, em específico, sua conceituação de sistemas organizacionais. Utilizaram-se os seguintes procedimentos de pesquisa: análise documental e entrevistas com gestores, com roteiro semiestruturado. Os resultados obtidos demonstram que, por meio de “irritações” provenientes de outros sistemas, sobretudo do mercado (economia) e do direito, a organização estudada internalizou a sustentabilidade ambiental, traduzindo este tema para a linguagem econômica do lucro e da lei. A resposta da organização, de forma geral, foi diferenciar-se internamente, com a criação de um subsistema organizacional destinado à gestão ambiental da organização; este passou a pressionar outros subsistemas organizacionais para internalizar tal temática – compras, gestão de pessoas, produção –, generalizando, assim, o tema da sustentabilidade ambiental.

 

====

 

This paper aims to analyze the process of internalization of environmental sustainability awareness within a sugarcane ethanol plant. To this end, we used the theoretical perspective of Niklas Luhmann and his theory of self-referential systems, specifically, his conceptualization of organizational systems. The following research procedures were used: documental analysis and semi-structured interviews with managers. Findings show that, by means of “irritations” originating from other systems, specifically market (economy) and law, the studied organization ended up internalizing environmental sustainability, translating this theme into the economic language of profit and law. The organization’s response, in general, was to differentiate itself internally, with the creation of an organizational subsystem for the environmental management of the organization, which began to pressure other organizational subsystems to internalize this theme ‒ purchasing, people management, production ‒, generalizing the theme of environmental sustainability.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Rodolfo Tenório Lima, Universidade Federal de Alagoas

Doutor em Sociologia e professor do Mestrado Profissional e da graduação em Administração Pública na Universidade Federal de Alagoas.

Fabrício Neves, Universidade de Brasília

Doutor em Sociologia e professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade de Brasília.

Referências

BRAGATO, Ivelise R.; SIQUEIRA, Elisabete S.; GRAZIANO, Graziela O.; SPERS, Eduardo E. Produção de açúcar e álcool vs. responsabilidade social corporativa: as ações desenvolvidas pelas usinas de cana-de-açúcar ante as externalidades negativas. Gestão & Produção, v. 15, n. 1, p. 89-100. 2008. https://doi.org/10.1590/S0104-530X2008000100009

CARSON, Rachel. Silent Spring. Boston: Houghton Mifflin, 1962.

CAVALCANTE, Hellen P. M. Aspectos jurídicos relativos ao etanol brasileiro e as barreiras não tarifárias à sua importação. Direito e energia, ano II, v. 2, 2010.

CHAMAYOU, Grégoire. A sociedade ingovernável: uma genealogia do liberalismo autoritário. São Paulo: Ubu Editora, 2020.

CONAB ‒ Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira de cana-de-açúcar: v. 5 ‒ Safra 2018/19 ‒ n. 4 ‒ Quarto levantamento. Brasília: Conab, 2019.

DUTRA, Roberto. Sistema político-administrativo e interações na implementação de políticas públicas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 35, n. 102, e3510208, 2020.

EGRI, Carolyn P.; PINFIELD, Laurence T. As organizações e a biosfera: ecologia e meio ambiente. In: CLEGG, Stewart et al. (Orgs.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999.

FREYRE, Gilberto. Nordeste: aspectos da influência da cana sobre a vida e a paisagem do Nordeste do Brasil. 7. ed. São Paulo: Global, 2004.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. 33. ed. São Paulo: Nacional, 2004.

GAMEIRO, Mariana B. P. O fetiche da mercadoria “verde”: a questão ambiental na construção social da imagem do etanol brasileiro. 2017. 311 f. Tese (Doutorado em Sociologia) ‒ Departamento de Sociologia, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2017.

GONÇALVES, Carlos W. P. Os (des)caminhos do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 1996.

GREENPECE (Brasil). Biocombustiveis: problema e solução. Disponível em:

http://www.greenpeace.org/brasil/documentos/energia/greenpeacebr_070208_energia_biocombustivel_problema_e_solucao_port_v1.

HESS, David J. Alternative pathways in science and industry: activism, innovation, and the environment in an era of globalization. Massachusetts: The MIT Press, 2007.

HOLANDA, Sérgio B. de. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

LEFF, Enrique. Ecologia, capital e cultura: Racionalidade ambiental, democracia participativa e desenvolvimento sustentável. Blumenau: Edifurb, 2000.

LEIS, Héctor R. A modernidade insustentável: as críticas do ambientalismo à sociedade contemporânea. Florianópolis: Edufsc, 1999.

LIMA, José Rodolfo T.; CUNHA, Neila C. V.; LIRA, Thaisa K. da S. A gestão ambiental e os benefícios econômicos: um estudo de caso da Usina Coruripe Matriz. Revista de Negócios, v. 15, n. 1, p. 29-44, 2010.

LUHMANN, Niklas. La sociedad de la sociedad. Ciudad de México: Editora Herder, 2007.

LUHMANN, Niklas. Theories of distinction. Stanford: Stanford University Press, 2002.

LUHMANN, Niklas. Por que uma “teoria dos sistemas?”. In: NEVES, Clarissa E. B.; SAMIOS, Eva M. B. (Eds.). Niklas Luhmann: a nova teoria dos sistemas. Porto Alegre: UFRGS, 1997a.

LUHMANN, Niklas. Novos desenvolvimentos na teoria dos sistemas. In: NEVES, Clarissa E. B.; SAMIOS, Eva M. B. Niklas Luhmann: a nova teoria dos sistemas. Porto Alegre: UFRGS. 1997b.

LUHMANN, Niklas. Organización y decisión. Autopoieses, acción y entendimiento comunicativo. México: Anthropos, 1997c.

LUHMANN, Niklas. Introduccíon a la teoría de sistemas. México: Antrhopos, 1996.

LUHMANN, Niklas. Social systems. Stanford: Stanford University Press, 1995.

LUHMANN, Niklas. Ecological communication. Chicago: Polity Press, 1989.

MANSILLA, Darío R. Nota a la versíon en español. In: LUHMANN, Niklas. Organización y decisión. Autopoieses, acción y entendimiento comunicativo. México: Anthropos, 1997.

McCORMICK, John. Rumo ao Paraíso: a história dos movimentos ambientalistas. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1992.

OLIVEIRA, Edenis C. de; PEREIRA, Raquel da S. Índice de gestão ambiental no setor sucroenergético: um estudo comparativo com outros setores. Organizações e Sustentabilidade, v. 2, n. 2, p. 150-174, 2014.

PAULILLO, Luiz F.; VIAN, Carlos E. de F.; MELLO, Fabiana O. T. de. Autogestão, governança setorial e sustentabilidade no complexo agroindustrial canavieiro no século 21. Política Agrícola, n. 1, p. 40-62, 2008.

PORTER, Michael E.; LINDE, Claas van der. Verde e competitivo: acabando com o impasse. In: PORTER, Michael E. Competição – on competition: estratégias competitivas essenciais. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

PORTILHO, Fátima. Consumo verde, consumo sustentável e a ambientalização dos consumidores. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPPAS, 2., 2004, Indaiatuba. Anais [...]. Indaiatuba: Anppas, 2004. p. 1-21.

ROMEIRO, Ademar R. Desenvolvimento sustentável: uma perspectiva econômico-ecológica. Estudos Avançados, v. 26, n. 74, p. 65-92, 2012. https://doi.org/10.1590/S0103-40142012000100006

SACHS, Ignacy. Ecodesenvolvimento: crescer sem destruir. São Paulo: Vértice, 1986.

SCHUTTE, Giorgio; BARROS, Pedro. A geopolítica do etanol. IPEA: Boletim de Economia e Política Internacional, n. 1, p. 33-43, jan. 2010.

SEIDL, David; BECKER, Kai H. Organizations as distinction generating and processing systems: Niklas Luhmann’s contribution to organization studies. Organization, v. 1, n. 13, p. 9-35, 2006a. https://doi.org/10.1177%2F1350508406059635

SEIDL, David; BECKER, Kai H. (Eds.). Niklas Luhmann and organization studies. Copenhague: Copenhagen Business School Press, 2006b

SILVA, Maria A. M.; BUENO, Juliana D.; MELO, Beatriz M. de. Quando a máquina “desfila”, os corpos silenciam: tecnologia e degradação do trabalho nos canaviais paulistas. Contemporânea, v. 4, n. 1, p. 85-115, 2014.

SKLAIR, Leslie. The corporate capture of sustainable development and its transformation into a “good Anthropocene” historical bloc. Civitas, Revista de Ciências Sociais, v. 19, n. 2, p. 296-314, 2019. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2019.2.31970

YOUNG, Carlos E. F.; LUSTOSA, Maria C. J. Meio ambiente e competitividade na indústria brasileira. Revista de Economia Contemporânea, v. 5, n. especial, 2001.

Downloads

Publicado

2021-12-12

Como Citar

LIMA, J. R. T.; NEVES, F. A dinâmica sistêmica da internalização da sustentabilidade: estudo de caso em uma usina do setor sucroenergético / The systemic dynamics of the internalization of sustainability: a case study in a sugar mill. Sociologias, [S. l.], v. 23, n. 58, p. 238–267, 2021. DOI: 10.1590/15174522-102487. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/102487. Acesso em: 24 set. 2022.