Adaptação transcultural e validação da Urinary Incontinence Scale After Radical Prostatectomy para o contexto brasileiro

Autores

  • Luciana Regina Ferreira da Mata
  • Cissa Azevedo
  • Aline Carrilho Menezes
  • Sabrina de Cássia Chagas
  • Lívia Cristina de Resende Izidoro
  • Fabrícia Eduarda Baia Estevam
  • Tânia Couto Machado Chianca

Resumo

Objetivo: Traduzir, adaptar e validar a Urinary Incontinence Scale After Radical Prostatectomy para o Brasil.
Método: Estudo tipo metodológico: adaptação transcultural (tradução, síntese, retrotradução, comitê de especialistas (n=25), pré-teste (n=40) e apresentação para os autores originais) e avaliação das propriedades de medida (n=80). Os dados foram coletados entre janeiro de 2018 e fevereiro de 2019 em unidade oncológica. As propriedades de medida calculadas: validade estrutural, teste de hipótese, validade de critério e confiabilidade.
Resultados: A versão brasileira denominou-se Escala de Incontinência Urinária Pós-Prostatectomia Radical. Um item foi excluído devido carga fatorial baixa (0,322). Identificouse correlação significativa entre escore total da escala e instrumentos aplicados (p<0,001). Homens incontinentes apresentaram maior escore no total da escala em relação aos continentes (p<0,001). Alfa de Cronbach foi 0,94 e confiabilidade composta 0,97.
Conclusão: A versão brasileira foi considerada válida e confiável para avaliação da incontinência urinária em prostatectomizados.

Palavras-chave: Incontinência urinária. Prostatectomia. Estudo de validação. Reprodutibilidade dos testes. Inquéritos e questionários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2022-05-27

Como Citar

1.
Luciana Regina Ferreira da Mata, Cissa Azevedo, Aline Carrilho Menezes, Sabrina de Cássia Chagas, Lívia Cristina de Resende Izidoro, Fabrícia Eduarda Baia Estevam, Tânia Couto Machado Chianca. Adaptação transcultural e validação da Urinary Incontinence Scale After Radical Prostatectomy para o contexto brasileiro. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 27º de maio de 2022 [citado 13º de agosto de 2022];43. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/rgenf/article/view/124821

Edição

Seção

Artigos Originais