Algumas observações sobre o modus operandi e a prudência do juiz no Direito Canônico indiano

Autores

  • Thomas Duve Algumas observações sobre o modus operandi e a prudência do juiz no Direito canônico indiano

DOI:

https://doi.org/10.22456/0104-6594.79290

Palavras-chave:

História do Direito, Administração da justiça, Ius commune, Juiz eclesiástico, Personæ miserabiles, Cultura jurídica,

Resumo

A incorporação das Índias à Coroa de Castela implicou a vigência, no Novo Mundo, da complexa estrutura de fontes que vigorava na Europa, com seus direitos históricos, formados por camadas sucessivas. Entretanto, nestas vastas terras, administrar a justiça era um desafio ainda maior – pelas distâncias, pelo ineditismo da situação, pelo encontro com as culturas indígenas. Se o ius commune admitia uma grande flexibilidade, ainda maior era a requerida pelo mundo indiano. Neste artigo estuda-se um aspecto do particular processo de transplante e de reprodução das normas do ius commune nas Índias, tomando como ponto de partida a normativa sobre a competência jurisdicional do juiz eclesiástico para os assuntos das personæ miserabiles. A análise das autoridades medievais e de sua interpretação pelos autores europeus e indianos da Baixa Idade Moderna mostra como a pluralidade, a disparidade e a historicidade das fontes do direito contribuíam para criar um modus operandi muito particular. Destaca-se, pois, a íntima relação entre as condições pragmáticas da administração da justiça, especialmente as concernentes às fontes do direito, e a cultura jurídica que se erigia sobre essas bases institucionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thomas Duve, Algumas observações sobre o modus operandi e a prudência do juiz no Direito canônico indiano

Diretor do Max-Planck-Institut für europäische Rechtsgeschichte (Frankfurt am Main, Alemanha).

Publicado

2017-12-31

Edição

Seção

Artigos de Autores Convidados