Jurisdição constitucional e hermenêutica: discutindo as condições de possibilidade de aplicação do direito a partir da relativização da presunção de inocência

Autores

  • Edson Vieira da Silva Filho Faculdade de Direito do Sul de Minas
  • Gustavo Silva Xavier Faculdade de Direito do Sul de Minas

DOI:

https://doi.org/10.22456/0104-6594.77527

Palavras-chave:

Presunção de Inocência, Crítica Hermenêutica do Direito, Ponderação, Princípios, Direito Constitucional, Ativismo Judicial, Direitos Humanos, STF, Supremo Tribunal Federal

Resumo

Jurisdição constitucional e hermenêutica: discutindo as condições de possibilidade de aplicação do direito a partir relativização da presunção de inocência

 

Constitutional jurisdiction and hermeneutics: discussing the conditions for the possibility for the application of the law based on the relativization of the presumption of innocence

 

Edson Vieira da Silva Filho*

 

Gustavo Silva Xavier**

 

REFERÊNCIA

SILVA FILHO, Edson Vieira da; XAVIER, Gustavo Silva. Jurisdição constitucional e hermenêutica: discutindo as condições de possibilidade de aplicação do direito a partir relativização da presunção de inocência. Revista da Faculdade de Direito da UFRGS, Porto Alegre, n. 38, p. 62-85, ago. 2018.

 

RESUMO

ABSTRACT

Esta pesquisa objetiva estabelecer uma reflexão crítica, a partir da análise do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) do Habeas Corpus 126.292 que deu ensejo à relativização da presunção de inocência, a respeito de alguns referentes teóricos utilizados na prática jurídica pátria, a saber: os precedentes judiciais sob a ótica da integridade e da coerência, a teoria dos princípios de Robert Alexy e a cisão entre questões de fato e questões de direito utilizada nos recursos extremos (extraordinário e especial). Retomando o romance em cadeia de Ronald Dworkin, o problema da indeterminação da linguagem kelseniano e a teoria da argumentação jurídica de Robert Alexy, analisamos a prática jurisprudencial que sucedeu o referido julgado e vimos como os estes implicaram em uma loteria judiciária e insegurança jurídica. Nossa hipótese é a de que caso a teoria da ponderação alexyana fosse aplicada nos termos propostos pelo jusfilósofo alemão não teria havido a relativização da presunção de inocência. Para serem alcançados esses resultados, utilizam-se como metodologia os aportes teóricos da Crítica Hermenêutica do Direito de Lenio Streck. Como resultado, conclui-se que para que as amarras do passado (e do presente) que geram a flexibilização da autonomia do direito (e dos direitos fundamentais) sejam rompidas, faz-se necessária a inserção em um novo paradigma, no qual os princípios passam a representar o resgate do mundo prático e o elevado grau de legitimidade que o direito assumiu no paradigma do segundo pós-guerra.

 

The present research aims to establish a critical reflection based on the judgment of the Habeas Corpus 126.292, that gave rise to the relativization of the presumption of innocence, regarding some of the theoretical references used in the country’s law practice, such as: the judicial precedents based on integrity and coherence, Robert Alexy’s theory of principles and the schism between factual issues and legal issues used on the extreme legal appeals (extraordinary and special). Resuming from the theory of chain romance by Ronald Dworkin, the kelsenian problem of the indetermination of the language and the schism between factual and legal issues, the jurisprudential practice that followed the before mentioned judgment is analyzed, and it was noticed how these imply a kind of judiciary lottery and judicial insecurity. The here proposed hypothesis is that the in case the alexyan ponderation theory were to be applied in the manner proposed by the German jusphilosopher there wouldn’t have been a relativization on the presumption of innocence. For these results to be achieve, the theoretical contributions of Lenio Streck’s Hermeneutical Critic of the Law was used as the methodology. As result, it is concluded that for the past (and present) restrains that generate the relaxation of the autonomy of the legal system (and the fundamental right) to be broken, it is necessary the introduction of a new paradigm, in which principal begin to represent a rescue of the practical world and a high degree of legitimacy that the law acquired in the post second world war paradigm.

PALAVRAS-CHAVE

KEYWORDS

Presunção de Inocência. Crítica Hermenêutica do Direito. Ponderação. Princípios.

Presumption of Innocence. Hermeneutical Critic of the Law. Ponderation. Principles.


* Pós-Doutor pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), Rio Grande do Sul. Doutor em Direito pela Universidade Estácio de Sá (UNESA). Mestre pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mestre pela Universidade São Francisco (USF), São Paulo. Professor Adjunto da Faculdade de Direito do Sul de Minas (FDSM). Professor do Programa de Pós-Graduação em Direito da Faculdade de Direito do Sul de Minas (FDSM). Vice Presidente da Fundação Sul Mineira de Ensino.

** Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Direito da Faculdade de Direito do Sul de Minas (FDSM). Graduado em Direito pela Faculdade de Direito do Sul de Minas (FDSM). Editor Associado da Revista Eletrônica da Faculdade de Direito do Sul de Minas. Membro dos Grupos de Pesquisa Ultima Ratio e Sapere Aude, vinculados a Faculdade de Direito do Sul de Minas (FDSM). Advogado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edson Vieira da Silva Filho, Faculdade de Direito do Sul de Minas

Pós Doutor pela UNISINOS. Doutor em Direito pela UNESA. Mestre pela Universidade Federal do Paraná (2006). Mestre pela Universidade São Francisco (2002). Professor Adjunto da Faculdade de Direito do Sul de Minas em tempo integral (DE) e membro do Núcleo Docente Estruturante. Professor do PPGD da FDSM. Vice Presidente da Fundação Sul Mineira de Ensino. 

Gustavo Silva Xavier, Faculdade de Direito do Sul de Minas

Mestrando em Direito Pela Faculdade de Direito do Sul de Minas (Taxa de estudos financiada pela Capes). Graduado em Direito pela Faculdade de Direito do Sul de Minas. Editor Associado da Revista Eletrônica da Faculdade de Direito do Sul de Minas. Membro dos Grupos de Pesquisa Ultima Ratio (FDSM) e Sapere Aude (FDSM). Advogado e assessor jurídico no Município de Pouso Alegre/MG.

Referências

ALEXY, Robert. A Theory of Constitutional Rights. Trans. J. Rivers. Oxford: Oxford University Press, 2002.

_____. Constitutional rights, balancing and rationality. Ratio Juris, v.16, n. 2, p. 131-140, 2003.

_____. Teoria de los derechos fundamentales. Madrid, Centro de Estudios Constitucionales. 1997.

BAHIA, Alexandre Gustavo Melo Franco. Recursos extraordinários no STF e no STJ. Editora Juruá. 2009.

BARROSO, Luis Roberto; BARCELOS, Ana Paula de. A nova interpretação constitucional dos princípios. In: LEITE, George Salomão (Org). Dos Princípios Constitucionais: Considerações em torno das normas principiológicas da Constituição. São Paulo, Malheiros, 2003.

_____. Neoconstitucionalismo e constitucionalização do direito: o triunfo tardio do Direito Constitucional no Brasil. Revista de Direito Constitucional e Internacional: RDCI, v. 15, n. 58, p. 129-173, jan./mar. 2007.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Processual Penal. Agravo Regimental em Agravo de Recurso Especial de n. 998.641/SP. Rel. Min. Ribeiro Dantas, 5º Turma. Brasília, 28 de março de 2017.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Processual Penal. Habeas Corpus 68.726/SP. Constrangimento Ilegal. Habeas Corpus impetrado em face da decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo. Rel. Min. Moreira Alves. Brasília, 24 de setembro de 1991.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Processual Penal. Habeas Corpus 72.366/SP. Constrangimento Ilegal. Habeas Corpus impetrado em face da decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo. Rel. Min. Neri da Silveira. Brasília, 26 de janeiro de 1999.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Processual Penal. Habeas Corpus 84078/MG. Constrangimento Ilegal. Habeas Corpus impetrado em face da decisão do Superior Tribunal de Justiça. Rel. Min. Neri da Silveira. Brasília, 05 de fevereiro de 2009.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Direito Constitucional. Ações Declaratórias de Constitucionalidade 43 e 44 em face do artigo 283 do Código de Processo Penal. Brasília, 05 de outubro de 2016.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Processual Penal. Habeas Corpus 126.292/SP. Constrangimento Ilegal. Habeas Corpus no 313.021 contra decisão do Ministro Francisco Falcão, Presidente do Superior Tribunal de Justiça, que indeferiu o pedido de liminar no HC 313.021/SP. Brasília, 17 de fevereiro de 2016.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Processual Penal. Recurso Extraordinário 964.246/SP. Rel. Ministro Teori Zavascki. Brasília, 10 de novembro de 2016.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Processual Penal. Habeas Corpus 118.770/SP. Constrangimento Ilegal. Habeas Corpus impetrado em face da decisão do Superior Tribunal de Justiça. Rel. Min. Marco Aurélio. Brasília, 07 de março de 2017.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Processual Penal. Habeas Corpus 139.391/RN. Constrangimento Ilegal. Habeas Corpus impetrado em face da decisão do Superior Tribunal de Justiça. Rel. Min. Marco Aurélio. Brasília, 19 de dezembro de 2016.

HC 139.391/RN, Rel. Min. Marco Aurélio, 06 de setembro de 2017.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Processual Penal. Recurso Ordinário em Habeas Corpus 129.663/RS. Constrangimento Ilegal. Habeas Corpus impetrado em face da decisão Tribunal Regional Federal da 4º Região. Rel. Min. Celso de Mello Brasília, 25 de agosto de 2017.

DWORKIN, Ronald. Levando os direitos a sério. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

_____. O império do direito. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

_____. Uma questão de princípio. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FERRAJOLI, Luigi. Constitucionalismo principialista e constitucionalismo garantista. In: FERRAJOLI, Luigi; STRECK, Lenio Luis; TRINDADE, André Karam (orgs). Garantismo, hermenêutica e (neo)constitucionalismo: um debate com Luigi Ferrajoli. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012.

GADAMER, Hans-Gerog. Verdade e método I: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Trad. Flávio Paulo Meurer. Petrópolis: Vozes, 2001.

KAUFMANN, Arthur. HASSEMER, Winfried.(org.) Introdução à Filosofia do Direito e à Teoria do Direito Contemporâneas. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2002.

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

HABERMAS, Jürgen. Factidad y validez: sobre el derecho y el Estado democrático de derecho em términos de teoria del discurso. Trad. Manuel Jiménez Redondo. Madrid: Trotta, 2001.

HART, H. L. A. O conceito de direito. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo, Parte I. 15. Ed. Trad. Marcia Sã Cavalcante Schuback. Editora Vozes, 2006.

MOTTA, Francisco José Borges. Ronald Dworkin e a decisão jurídica. Salvador: Editora Juspodivm, 2017.

NEVES, Castanheira A. A distinção entre a questão-de-facto e a questão-de-direito e a competência do Supremo Tribunal de Justiça como tribunal de revista. In: Digesta. V.1: escritos acerca do direito, do pensamento jurídico, da sua metodologia e outros. Coimbra: Coimbra Ed, 2011.

OLIVEIRA, Fábio Corrêa de; OLIVEIRA, Larissa Pinha de. Abrindo, lendo e escrevendo as páginas do romance em cadeia: diálogos, backlash e hermenêutica. Juris Poiesis, ano 14, n. 14, jan-dez. 2011 ISSN 1516-6635, p. 103-133.

SARMENTO, Daniel. O neoconstitucionalismo no Brasil: riscos e possibilidades. In: Filosofia e teoria constitucional contemporânea. Lumen Júris, 2009.

SIMIONI, Rafael Lazzarotto. Curso de hermenêutica jurídica contemporânea: do positivismo clássico ao pós-positivismo jurídico. Curitiba: Juruá, 2014.

STRECK, Lenio Luiz. Ainda e sempre o problema da relação “princípio-regra”: uma análise em tempos pós-positivistas. LEITE, George Salomão; SARLET, Ingo Wolfgang (Orgs). Jurisdição Constitucional, Democracia e Direitos Fundamentais. Salvador: Editora Juspodivm, 2013.

_____. Constituição, interpretação e argumentação: porque me afastei do neoconstitucionalismo. In: LEITE, George Salomão; SARLET, Ingo Wolfgang (Orgs). Constituição, Política e Cidadania. Porto Alegre: Editora GIW, 2013.

_____. Jurisdição Constitucional e decisão jurídica. 3. Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013a.

_____. Hermenêutica Jurídica e(m) crise: Uma exploração hermenêutica da construção do Direito. 11. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2014.

_____. Hermenêutica, Neoconstitucionalismo e “O Problema da Discricionariedade dos Juízes”. Anima – revista eletrônica do curso de Direito da OPET, Curitiba, 1 ed., v. 1, p. 383-413. 2009.

_____. Neoconstitucionalismo, positivismo e pós-positivismo. In: FERRAJOLI, Luigi; STRECK, Lenio Luis; TRINDADE, André Karam (orgs). Garantismo, hermenêutica e (neo)constitucionalismo: um debate com Luigi Ferrajoli. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012.

_____. Verdade e Consenso: Constituição, Hermenêutica e Teorias Discursivas. Saraiva, 2014a.

TRINDADE, André Karam. Garantismo versus neoconstitucionalismo: os desafios do protagonismo judicial em terrae brasilis. In: FERRAJOLI, Luigi; STRECK, Lenio Luis; TRINDADE, André Karam (orgs). Garantismo, hermenêutica e (neo)constitucionalismo: um debate com Luigi Ferrajoli. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012.

SILVA FILHO, Edson Vieira da. Neoconstitucionalismo e hermenêutica jurídica: a dura busca da construção da condição de possibilidade do resgate das promessas da modernidade na região marginal do sistema global. Revista Justiça do Direito, 2010, n. 24, v. 1, 2010, p. 9-60.

Publicado

2018-08-31