Teorias de Aprendizagem em Jogos Digitais Educacionais: um Panorama Brasileiro

Autores

  • Rafael João Ribeiro IFPR, PPGECT-UTFPR
  • Nelson Silva Junior UEPG, PPGECT-UTFPR
  • Antonio Carlos Frasson UTFPR
  • Luiz Alberto Pilatti UTFPR
  • Sani de Carvalho Rutz da Silva UTFPR

DOI:

https://doi.org/10.22456/1679-1916.57589

Palavras-chave:

jogos digitais educacionais, teorias de aprendizagem, instrumentos de avaliação.

Resumo

Este estudo tem por objetivo identificar as teorias de aprendizagem aplicadas em jogos digitais educacionais desenvolvidos no Brasil no período de 2004 a 2014. Foram analisados 27 artigos selecionados com o auxílio da base de dados do Google Acadêmico, para isso, foram utilizados dois grupos de descritores. Na amostra, em 41% dos casos não foi identificada a aplicação de teorias de aprendizagem no desenvolvimento de jogos digitais educacionais. No restante da amostra, a teoria de Piaget é a mais citada, presente em 22%. Em segundo, as teorias de Vygotsky aparecem em 15% das fundamentações teóricas. A concepção pedagógica adotada nas pesquisas da amostra condiz com o estado de arte internacional, isto é, uma preferência por teorias de base Construtivista. Entretanto, a Teoria de Aprendizagem Experiencial de Kolb, mais presente nas pesquisas internacionais, não é identificada na amostra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-07-28

Como Citar

JOÃO RIBEIRO, R.; SILVA JUNIOR, N.; CARLOS FRASSON, A.; ALBERTO PILATTI, L.; DE CARVALHO RUTZ DA SILVA, S. Teorias de Aprendizagem em Jogos Digitais Educacionais: um Panorama Brasileiro. RENOTE, Porto Alegre, v. 13, n. 1, 2015. DOI: 10.22456/1679-1916.57589. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/renote/article/view/57589. Acesso em: 7 fev. 2023.

Edição

Seção

Jogos educacionais