Tecnologias e Educação Profissional: O que dizem os alunos de uma Fábrica de Games?

Autores

  • Sthenio José Ferraz Magalhães UFPE
  • Patrícia Smith Cavalcante UFPE

DOI:

https://doi.org/10.22456/1679-1916.25125

Palavras-chave:

ensino médio profissional, desenvolvimento de games, protagonismo juvenil.

Resumo

Esta pesquisa  teve como objetivo identificar as contribuições da formação oferecida pelo projeto  Fábrica de Games (FG), incorporado às atividades de uma  escola pública do ensino médio do Estado de  Pernambuco, além de tentar compreender  suas especificidades e sua relação com a educação profissional técnica de nível médio.Realizou-se uma pesquisa exploratória de natureza qualitativa,  onde foram analisados questionários aplicados aos alunos.  Os resultados apontaram que a construção de games estimula nos alunos a criticidade, o protagonismo intelectual, a conscientização e a autonomia, além de indicar que a metodologia de trabalho utilizada é inovadora e agrega ao processo de ensino e aprendizagem situações lúdicas que facilitam a construção do conhecimento. Evidenciamos ainda que as contribuições da FG para a educação profissional técnica de nível médio estão ligadas,  principalmente, ao diferencial das formações oferecidas por suas habilitações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sthenio José Ferraz Magalhães, UFPE

.

Downloads

Publicado

2011-12-28

Como Citar

MAGALHÃES, S. J. F.; CAVALCANTE, P. S. Tecnologias e Educação Profissional: O que dizem os alunos de uma Fábrica de Games?. RENOTE, Porto Alegre, v. 9, n. 2, 2011. DOI: 10.22456/1679-1916.25125. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/renote/article/view/25125. Acesso em: 7 fev. 2023.