CRIAÇÃO, INSTITUCIONALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO BRASIL: CARACTERÍSTICAS E DESAFIOS

Autores

  • Julia Paranhos Instituto de Economia / Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Bruna Cataldo pesquisadora associada do GEI/IE/UFRJ e aluna de mestrado da Faculdade de Economia/Universidade Federal Fluminense
  • Ana Carolina de Andrade Pinto servidora pública do INMETRO e doutoranda do Programa de Políticas Públicas, Estratégia e Desenvolvimento/IE/UFRJ

Palavras-chave:

Relação universidade-empresa, Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs), Política Pública, Brasil.

Resumo

A retomada da política industrial à pauta do governo brasileiro no início os anos 2000 traz grande destaque à promoção da relação universidade-empresa. Em 2004, é assinada a Lei de Inovação, que busca flexibilizar o aparato burocrático para promoção destas parcerias e estabelece a obrigatoriedade de criação de Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) nas instituições públicas de pesquisa. O objetivo neste trabalho é apresentar esse marco político e os instrumentos de apoio criados, a configuração dos NITs no Brasil, para se discutir os obstáculos e desafios presentes ao seu funcionamento e especular sobre possíveis aprendizados para as políticas públicas. Para isso, são analisados os resultados do Formulário para Informações sobre a Política de Propriedade Intelectual das Instituições Científicas e Tecnológicas (2007-2015), à luz dos resultados de uma pesquisa de campo realizada entre 2014 e 2015 e da literatura sobre o tema. Conclui-se que, apesar do crescimento do número de NITs por todo o país, os desafios à sua atuação ainda são enormes, assim como, a necessidade de apoio para seu desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julia Paranhos, Instituto de Economia / Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora Adjunta da Universidade Federal do Rio de Janeiro e coordenadora do Grupo de Economia da Inovação do Instituto de Economia da UFRJ. Diretora Adjunta de Graduação do IE/UFRJ entre agosto de 2015 e julho de 2017. Graduada em Ciências Econômicas pela UFRJ (2004), mestre em Economia Industrial pela Universidade Federal de Santa Catarina (2006) e doutora em Economia da Indústria e da Tecnologia pela UFRJ (2010) com período de doutorado sanduíche no Science and Technology Policy Research - SPRU (2009). Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Inovação, atuando principalmente nos temas: gestão da inovação, política industrial e de inovação, relação universidade-empresa e propriedade industrial, em especial no setor farmacêutico

Bruna Cataldo, pesquisadora associada do GEI/IE/UFRJ e aluna de mestrado da Faculdade de Economia/Universidade Federal Fluminense

Mestranda em economia pela Universidade Federal Fluminense (UFF), economista graduada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ (2016). Pesquisas pelo Grupo de Economia de Inovação (GEI) do Instituto de Economia da UFRJ e pelo Núcleo de Estudos em Educação (NEE) do Centro de Estudos sobre Desigualdade e Desenvolvimento (CEDE). Temas de pesquisa concentrados em políticas públicas de inovação e economia da educação.

Ana Carolina de Andrade Pinto, servidora pública do INMETRO e doutoranda do Programa de Políticas Públicas, Estratégia e Desenvolvimento/IE/UFRJ

É atualmente pesquisadora do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO), trabalhando no Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) com o objetivo de apoiar a inovação e o desenvolvimento industrial brasileiro, e está cursando o doutorado em Politicas Publicas no Instituto de Economia da UFRJ. Possui graduação em Ciências Biológicas - Modalidade Médica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2004) e mestrado em Ciências Biológicas (Fisiologia) pelo Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005). Tem experiência em pesquisa na área de Fisiologia, empregando técnicas de Biologia Molecular, realizada no Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, da UFRJ. Tem Mestrado em Administração de Empresas realizado no Instituto COPPEAD de Administração da UFRJ, na área de Inovação Tecnológica e Empreendedorismo e experiência em gestão de projetos e captação de recursos em organizações do Terceiro Setor.

Downloads

Publicado

2018-09-03

Como Citar

Paranhos, J., Cataldo, B., & Pinto, A. C. de A. (2018). CRIAÇÃO, INSTITUCIONALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO BRASIL: CARACTERÍSTICAS E DESAFIOS. Revista Eletrônica De Administração, 24(2), 253–280. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/read/article/view/84988

Edição

Seção

Artigos