PERSPECTIVAS DE CULTURA ORGANIZACIONAL E ARTEFATOS FÍSICOS: UM ESTUDO EM ESCOLA DE EQUITAÇÃO POR MEIO DA FOTO-ELICITAÇÃO

Autores

  • Alessandra Helena Valente Miyazaki Fundação Getúlio Vargas
  • Darcy Mitiko Mori Hanashiro Universidade Presbiteriana Mackenzie - São Paulo/SP Brasil
  • Ana Silvia Rocha Ipiranga Universidade Estadual do Ceará

Palavras-chave:

perspectivas de cultura organizacional, artefatos, simbolismo, estética, organização esportiva

Resumo

No Brasil, são poucos os estudos desenvolvidos sobre cultura organizacional em organizações fora do “mainstream”. Este estudo busca compreender a cultura organizacional da escola de equitação de um clube hípico paulista, pela apreensão da instrumentalidade, estética e simbologia que pais, alunos e funcionários atribuem a artefatos. Essas dimensões foram relacionadas às perspectivas de integração, diferenciação e fragmentação de cultura organizacional. Entrevistas com fotografias, observações informais e análise de documentos permitiram compreender uma cultura de contrastes, onde dicotomias combinam-se e se harmonizam, tais como tempo vs. espaço, medo vs. segurança e família estendida vs. discurso igualitário. Espera-se que este trabalho possa contribuir para estudos voltados a organizações esportivas e instituições de cunho social, assim como a pesquisas baseadas em múltiplas perspectivas culturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Helena Valente Miyazaki, Fundação Getúlio Vargas

Curso de MBA

Darcy Mitiko Mori Hanashiro, Universidade Presbiteriana Mackenzie - São Paulo/SP Brasil

Programa de Pós-Graduação em Administração de Empresas

Ana Silvia Rocha Ipiranga, Universidade Estadual do Ceará

Programa de Pós Graduação Em Administração

Downloads

Publicado

2018-12-11

Como Citar

Miyazaki, A. H. V., Mori Hanashiro, D. M., & Ipiranga, A. S. R. (2018). PERSPECTIVAS DE CULTURA ORGANIZACIONAL E ARTEFATOS FÍSICOS: UM ESTUDO EM ESCOLA DE EQUITAÇÃO POR MEIO DA FOTO-ELICITAÇÃO. Revista Eletrônica De Administração, 24(3), 46–76. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/read/article/view/84302