INVESTIMENTO, LUCRATIVIDADE E ENDIVIDAMENTO: O QUE FINANCIOU O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS NO PERÍODO PÓS PLANO REAL?

Autores

  • Alexandre Majola Gava Centro de Ensino Superior de Farroupilha - Farroupilha, RS
  • Kelmara Mendes Vieira Universidade Federal de Santa Maria - Santa Maria, RS

Palavras-chave:

Decisões de investimento, fontes de financiamento, estrutura de capital,

Resumo

A estrutura de capital de uma empresa é um dos fatores primordiais que influenciam os seus projetos de investimento, sendo estes últimos os verdadeiros impulsionadores da expansão econômica de um país. Neste contexto, o objetivo deste trabalho é analisar as decisões de investimento e financiamento efetuadas nas empresas brasileiras no período pós Plano Real, visando identificar os tipos e montantes de aplicações de recursos, bem como as fontes que foram buscadas para supri-las. Para tanto, foram analisadas as demonstrações financeiras das empresas com ações listadas na Bovespa entre 1995 e 2002, tanto em termos globais quanto em segmentações setoriais, a partir de tabelas ANOVA. Os resultados sugerem que as empresas brasileiras investiram, em média, menos do que os índices inflacionários do período, sendo este crescimento não direcionado para ativos fixos. Há indicação de que existem grandes dificuldades para suprir estes investimentos com autofinanciamento ou com fontes externas de recursos, tais como emissões de ações ou dívida, sendo utilizados preferencialmente para tanto passivos não-onerosos de curto e longo prazo. Finalmente, houve diferenças estatisticamente significativas para o endividamento entre os setores pesquisados, o que é coerente com evidências internacionais a este respeito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-09-12

Como Citar

Majola Gava, A., & Mendes Vieira, K. (2013). INVESTIMENTO, LUCRATIVIDADE E ENDIVIDAMENTO: O QUE FINANCIOU O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS NO PERÍODO PÓS PLANO REAL?. Revista Eletrônica De Administração, 9(5). Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/read/article/view/42595