MUDANÇAS NAS ESTRUTURAS E NOS PROCESSOS INTERNOS DE GESTÃO: O CASO DO PARTIDO DOS TRABALHADORES NO GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

Autores

  • Ivan Antônio Pinheiro Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Porto Alegre, RS
  • Ricardo Simm Costa Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Porto Alegre, RS

Palavras-chave:

Partido dos Trabalhadores, Gestão, Mudança,

Resumo

Um dos traços mais marcantes na história recente da política brasileira é a ascensão do Partido dos Trabalhadores; crescimento, em parte, sustentado em promessas de promover mudanças. Se o ideário do Partido, calcado na justiça social, inclusão, participação, entre outros aspectos, assim como suas propostas de ordem mais abrangente são conhecidas, o mesmo não se pode afirmar quanto às suas práticas internas de gestão, a exemplo do relacionamento dos dirigentes com a estrutura administrativa representada pelo quadro de servidores efetivos, permanentes. Neste escopo se incluem, entre outras, a valorização profissional do servidor público, o tratamento sempre à margem do posicionamento e engajamento partidário, pautado na igualdade e na transparência de critérios, os programas de qualificação, a maior participação no processo decisório, iniciativas em defesa do emprego (por ser contrário à privatização e à terceirização dos serviços), a redução das desigualdades salariais (através de reajustes por categorias ao invés dos reajustes lineares), todas, não raro, veiculadas como promessas em tempo de campanha. A questão que ora se levanta é: haveria um conjunto de práticas internas de gestão genuinamente identificadas com o PT, portanto diferentes de outras? É possível fugir dos cânones da burocracia, assim como da administração gerencial proposta no projeto de Reforma do Estado de Bresser Pereira? As divergências – Tendências -, de alguma maneira se projetam na prática de gestão? O que significa ser "contra tudo isto que está aí" quando se têm em foco as práticas internas de gestão? Se existe este modo próprio de gerenciar, ele estaria sendo percebido pela "máquina"? Seria possível compará-lo com as práticas da gestão anterior? Para estas, entre outras questões, este trabalho, procura trazer respostas. A abordagem ao problema de pesquisa foi eminentemente quantitativa, tendo sido os dados coletados em uma amostra de servidores da Secretaria de Administração e Recursos Humanos (SARH) do Estado do Rio Grande do Sul, no ano de 2002. Os resultados da pesquisa sugerem que, se existe, o referido conjunto não é uma unanimidade entre os servidores. A pesquisa, ainda que focalizada, em certa medida espelha a situação atualmente enfrentada pelo PT à frente do Executivo Federal: não é possível “ser contra tudo isto que está aí”. Os dados levantados, no mínimo, recomendam maior cautela à classe política quando dirigir promessas ao eleitorado, tendo sido identificadas questões estruturais e institucionais que condicionam, quando não limitam, o ritmo e até mesmo a natureza das mudanças acenadas no palanque eleitoral. Por outro lado, neste caso específico, as mudanças e as diferenças, quando constatadas, foram consistentes com o discurso e as promessas do Partido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-09-10

Como Citar

Antônio Pinheiro, I., & Simm Costa, R. (2013). MUDANÇAS NAS ESTRUTURAS E NOS PROCESSOS INTERNOS DE GESTÃO: O CASO DO PARTIDO DOS TRABALHADORES NO GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Revista Eletrônica De Administração, 10(2). Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/read/article/view/42536