ESTRATÉGIAS DE VALOR NO MERCADO DE AÇÕES BRASILEIRO

Autores

  • Luciano Martin Rostagno Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS
  • Rodrigo Oliveira Soares Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS
  • Karina Talamini Costa Soares Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS

Palavras-chave:

Mercados Financeiros, Eficiência de Mercado, Precificação de Ativos, Estratégias de Investimento, Ações de Valor e Crescimento

Resumo

Este artigo busca verificar, no mercado brasileiro de ações, a hipótese na qual as estratégias de investimento em ações de valor superam as em ações de crescimento e o índice de mercado. O teste efetuado envolveu o período compreendido entre junho de 1995 e junho de 2001. Dentre as variáveis usadas para a construção das carteiras de valor e crescimento estão a razão valor patrimonial da ação/preço (VPA/P), razão lucro/preço (L/P), razão dividendos/preço (DIV/P) e razão vendas/preço (V/P), todas tomadas em dólar americano. A análise foi conduzida utilizando o método apresentado por Fama e French (1992) e Lakonishok, Shleifer e Vishny (1994). Os resultados obtidos apontaram que as carteiras de valor apresentam performance superior e menor risco, este medido pelo beta, em relação às de crescimento para todas as variáveis proxy para rendimentos futuros testadas. Além disso, foi efetuado um teste adicional de avaliação do comportamento das carteiras o qual demonstrou consistentes maiores retornos por parte das carteiras de valor em relação ao mercado, após um período de turbulência. As evidências encontradas sugerem que os investimentos em ações de valor apresentam maiores retornos devido a erros de expectativas cometidos pelos investidores e não porque sejam fundamentalmente mais arriscados que os realizados em ações de crescimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-06-19

Como Citar

Martin Rostagno, L., Oliveira Soares, R., & Talamini Costa Soares, K. (2013). ESTRATÉGIAS DE VALOR NO MERCADO DE AÇÕES BRASILEIRO. Revista Eletrônica De Administração, 11(6). Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/read/article/view/40579