CAPACITAÇÃO EM MULTINACIONAIS BRASILEIRAS: O INVESTIMENTO NAS FILIAIS ESTRANGEIRAS REPRODUZ O DA MATRIZ?

Autores

  • Roberta López Aguzzoli Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Jorge Francisco Bertinetti Lengler Universidade de Santa Cruz do Sul
  • Elaine Di Diego Antunes Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Vanderlei Becker Ribeiro Universidade de Santa Cruz do Sul

Palavras-chave:

Multinacionais brasileiras, Capacitação, estágio de internacionalização

Resumo

TEXTO (PDF) TAMBÉM DISPONÍVEL EM INGLÊS

A necessidade da capacitação dos trabalhadores tem se tornado um recorrente na Gestão de Pessoas Internacional. No entanto, a globalização acirra a competitividade, exigindo corte nos gastos. Estudos recentes indicam que as multinacionais instaladas no Brasil não capacitam a força produtiva local. E as empresas brasileiras, desenvolvem seus funcionários na matriz? E no exterior, suas políticas são as mesmas da sede? Desta forma, objetiva o presente estudo verificar qual a relação organizacional das 71 maiores multinacionais brasileiras com sua força de trabalho. Este objetivo será perseguido através de entrevistas em profundidade junto a gestores de nove multinacionais do sul do país e da análise de investimentos, através de balanços sociais, em educação, treinamento e desenvolvimento. Esta pesquisa, de caráter exploratório e cunho quantitativo e qualitativo, analisou estatisticamente informações referentes à geração de empregos diretos e indiretos, investimento em educação, treinamento e desenvolvimento, faturamento e lucro líquido ajustado das principais multinacionais brasileiras. E, qualitativamente, como investem em sua força produtiva estrangeira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-04-30

Como Citar

López Aguzzoli, R., Bertinetti Lengler, J. F., Di Diego Antunes, E., & Becker Ribeiro, V. (2013). CAPACITAÇÃO EM MULTINACIONAIS BRASILEIRAS: O INVESTIMENTO NAS FILIAIS ESTRANGEIRAS REPRODUZ O DA MATRIZ?. Revista Eletrônica De Administração, 13(4), 62–83. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/read/article/view/39499