MOTIVAÇÕES PARA PATENTEAR: O CASO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

Autores

  • Henrique Machado Barros Insper - Instituto de Ensino e Pesquisa – SP / Brasil

Palavras-chave:

patentes, indústria farmacêutica, propriedade intelectual, inovação, P&D

Resumo

TEXTO (PDF) EM INGLÊS

A literatura relata que as patentes são normalmente vistas como mecanismos isolantes. Mas ela também indica que as patentes podem não ser muito efetivas contra a imitação. O objetivo deste trabalho é identificar o porquê das empresas farmacêuticas depositarem patentes apesar da reconhecida limitação destes instrumentos de proteção. A pesquisa utiliza uma abordagem qualitativa que consiste na realização de seis estudos de caso de empresas farmacêuticas que operam no Reino Unido. Para as empresas estudadas, a razão mais evidente para engajarem no processo de patenteamento foi o interesse em evitar a livre imitação de suas inovações, cujo tempo de desenvolvimento é normalmente longo e tem altos custos associados a ele. Além disso, também foi revelado que as patentes são utilizadas i) para desencorajar a entrada de outras empresas no setor ou no campo tecnológico de interesse, ii) para melhorar as condições de apropriação do esforço inovador, iii) para alavancar recursos através de licenciamento, iv) para usar em negociações tecnológicas, v) para influenciar a percepção dos investidores, vi) para dar sinais para o mercado, e vii) (aparentemente menos importante) para incentivar os pesquisadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-04-25

Como Citar

Machado Barros, H. (2013). MOTIVAÇÕES PARA PATENTEAR: O CASO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA. Revista Eletrônica De Administração, 14(3), 496–511. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/read/article/view/39337