DIMENSÃO E HORIZONTE DE INVESTIMENTO EM CARTEIRAS IMUNIZADAS: UMA ANÁLISE SOB A PERSPECTIVA DAS ENTIDADES DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

Autores

  • Sérgio Jurandyr Machado IBMEC-SP / Brasil
  • Antonio Carlos Figueiredo Pinto PUC-Rio / Brasil

Palavras-chave:

risco de taxa de juros, duração, imunização, índice de renda fixa, entidade de previdência complementar

Resumo

O termo imunização denota a construção de uma carteira de títulos de forma a torná-la imune a variações nas taxas de juros. No caso das entidades de previdência complementar, o objetivo da imunização é distribuir os recebimentos intermediários e finais dos ativos de acordo com o fluxo de pagamentos dos benefícios. Em geral, quanto maior a classe de alterações na estrutura a termo das taxas de juros, mais restritivo se torna o modelo. O artigo busca comparar o desempenho de modelos de gestão de risco de taxa de juros que, baseados em alternativas distintas de programação matemática, objetivam garantir o pagamento do fluxo futuro de benefícios. Embora exista uma vasta literatura sobre o aspecto estatístico e sobre o significado econômico dos modelos de imunização, o artigo inova ao prover uma análise detalhada do desempenho comparado dos modelos, sob três perspectivas complementares: o método escolhido, a dimensionalidade e, ainda, o horizonte de investimento. A análise permite concluir que os modelos de imunização tradicional, quando examinados sob a ótica conjunta da redução do risco, das restrições impostas à formatação da carteira e dos custos de transação associados, são mais eficientes, no médio e longo prazo, que os modelos multidimensionais de gestão do risco de taxa de juros, os quais se mostram superiores apenas na gestão restrita ao curto prazo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-04-22

Como Citar

Machado, S. J., & Figueiredo Pinto, A. C. (2013). DIMENSÃO E HORIZONTE DE INVESTIMENTO EM CARTEIRAS IMUNIZADAS: UMA ANÁLISE SOB A PERSPECTIVA DAS ENTIDADES DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR. Revista Eletrônica De Administração, 15(1), 1–22. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/read/article/view/39178