CRÉDITOS DE CARBONO: OPORTUNIDADES E DESAFIOS PARA INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS

Autores

  • Tales Andreassi Fundação Getúlio Vargas – SP / Brasil
  • Maria Clara Piazza Johannes Gutenberg Universität Mainz - Rheinland-Pfalz / Alemanha
  • Pedro Lucas de Resende Melo Universidade de São Paulo – SP / Brasil

Palavras-chave:

Aquecimento global, Créditos de Carbono, Gestão Ambiental, Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, Protocolo de Quioto.

Resumo

O objetivo desta pesquisa é entender, de forma qualitativa, a atuação dos atores envolvidos com a gestão de projetos que possam se transformar em créditos de carbono, no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), um dos instrumentos regulatórios propostos em 1997 no Protocolo de Quioto. Espera-se, assim, contribuir para o entendimento de uma matéria crucial para o planeta, matéria esta que pode garantir a preservação do meio ambiente e permitir o desenvolvimento sustentável dos países. Para tanto, utilizou-se o método do estudo de caso múltiplo, sendo pesquisadas seis instituições: uma organização financeira, um instituto de pesquisa, uma empresa de consultoria, uma organização não-governamental (ONG) e duas empresas privadas. Além dessas, foram incorporadas mais duas instituições (uma organização financeira e uma empresa de consultoria) na análise, que tinham sido objeto de um pré-teste no início da pesquisa. Dentre os principais resultados, ficou claro que, embora muitas empresas ainda estejam pensando nos créditos de carbono como um side business, a leitura deve ser muito mais profunda do que isso. Atuar nesse mercado pode ser estratégico a longo prazo, pois cada vez mais a questão ambiental vai ser levada em conta nas interações comerciais entre os países.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-04-15

Como Citar

Andreassi, T., Piazza, M. C., & de Resende Melo, P. L. (2013). CRÉDITOS DE CARBONO: OPORTUNIDADES E DESAFIOS PARA INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS. Revista Eletrônica De Administração, 16(3), 636–659. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/read/article/view/38837

Edição

Seção

Estudos de Caso