Educação Superior no Brasil e a disputa pela concepção de qualidade no Sinaes

Autores

  • Maria do Carmo Lacerda Peixoto
  • Maria das Graças Medeiros Tavares
  • Ivanildo Ramos Fernandes
  • Fabiane Robl

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol32n32016.68571

Palavras-chave:

Educação superior, avaliação, qualidade, arenas de poder, performatividade.

Resumo

Qualidade é conceito polissêmico, conforme concepções e interesses das arenas de poder da Educação Superior. Essas concepções têm assimetrias entre a iniciativa privada e o setor público, podendo mascarar pedagogias de gerenciamento e performatividade. O artigo aborda a qualidade na avaliação da Educação Superior como conceito em disputa entre a avaliação como um processo de caráter formativo e emancipatório e como um referencial básico da regulação. Essa disputa explicita a polissemia da qualidade na avaliação, ressaltando a perspectiva regulatória presente no sistema educacional brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria do Carmo Lacerda Peixoto

MARIA DO CARMO LACERDA PEIXOTO tem graduação em Sociologia pela UFMG e é Doutora em Educação pela UFRJ. Professora titular da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG é pesquisadora da área de políticas para educação superior, tendo diversas publicações sobre a temática. Implantou e dirigiu a Diretoria de Avaliação Institucional da UFMG, e foi presidente da sua Comissão Própria de Avaliação. É pesquisadora da área das políticas para a educação superior, tendo diversas publicações nesta temática, entre livros, coletâneas e artigos. Participa da Rede Universitas/Br, como pesquisadora do Observatório da Educação “Políticas de Expansão da Educação Superior no Brasil”. E-mail: mcarmolp@gmail.com

Maria das Graças Medeiros Tavares

MARIA DAS GRAÇAS MEDEIROS TAVARES é graduada em Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Federal de Alagoas, Mestre em Administração de Sistemas Educacionais pelo Instituto de Estudos Avançados em Educação IESAE/FGV e Doutora em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. É professora titular do Departamento de Fundamentos da Educação - TFE da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e pesquisadora da área de políticas para educação superior, com diversas publicações sobre as temáticas: educação superior, gestão democrática, extensão universitária e avaliação educacional. Participa da Rede Universitas/Br, como pesquisadora do Observatório da Educação “Políticas de Expansão da Educação Superior no Brasil”. E-mail: graccatavares@uol.com.br

Ivanildo Ramos Fernandes

IVANILDO RAMOS FERNANDES é mestrando em Educação pela Universidade de Brasília – UnB, Especialista em Políticas Públicas e Avaliação da Educação Superior pela Universidade Federal da Integração Latino Americana -UNILA/PR, Bacharel em Direito pela Universidade Candido Mendes- UCAM/RR, onde atua como docente-pesquisador e diretor de regulação, nos temas regulação e avaliação da educação superior. Associado à Rede Universitas/Br, desde 2009, e ao Grupo de pesquisa “Observatório e Pesquisa das Políticas de Avaliação da Educação Superior (POW1). Sua produção científica compreende capítulos de livros, artigos etc. E-mail: iramos@candidomendes.edu.br

Fabiane Robl

FABIANE ROBL é graduada em Bacharelado e Licenciatura em Ciências Biológicas pela Fundação Universidade Regional de Blumenau, Mestre em Educação pela Fundação Universidade Regional de Blumenau e Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo. Foi assessora técnica da Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (CONAES), e consultora no Ministério da Educação, atuando no Plano de Desenvolvimento da Educação - PDE. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Superior, atuando principalmente nos seguintes temas: produção acadêmica, grupos de pesquisa, rede de conhecimento, avaliação e políticas públicas da educação superior. Participa da Rede Universitas/Br, como pesquisadora do Observatório da Educação “Políticas de Expansão da Educação Superior no Brasil”. E-mail: fabiane.robl@gmail.com

Referências

AFONSO, Almerindo Janela. Recuo ao cientificismo, paradoxos da transparência e corrupção em educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. especial, p. 1313-1326, dez. 2015..

BALL, Stephen. Sociologia das políticas educacionais e pesquisa crítico-social: uma revisão pessoal das políticas educacionais e da pesquisa em políticas educacionais. Currículo sem Fronteiras, v.6, n.2, p.10-32, jul./dez. 2006.

______. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, v.35, n.126, p.539-564, set./dez. 2005.

______. Performatividade, privatização e o pós-Estado do Bem-Estar. Educação e Sociedade, Campinas, v.25, n.89, p.1105-1126, set./dez. 2004.

______. Reformar escolas/reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, Universidade do Minho/PT, v.15, n.2, p.03-23, 2002.

______. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo sem Fronteiras, v.1, n.2, p.99-116, dez. 2001.

BOWE, Richard; BALL, Stephen; GOLD, Anne. Reforming education & changing schools: case studies in policy sociology. London: Routledge, 1992.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de lei n° 4.372, de 31 de agosto de 2012. Cria o Instituto Nacional de Supervisão e Avaliação da Educação Superior - INSAES, e dá outras providências. Disponível em:<http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=554202>. Acesso em: 21 mar. 2016.

______. Portaria Normativa n° 1, de 10 de janeiro 2007. Estabelece o calendário de avaliações do Ciclo Avaliativo do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES para o triênio 2007/2009. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, de 11 jan. 2007, seção I, página 07.

______.Ministério da Educação. Portaria SESu n.º 11, de 28 de abril de 2003. Institui a Comissão Especial de Avaliação e designa seus membros. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF,n.º 82, de 30 abr. 2003a, Seção 2, página 19.

______. Portaria Sesu n.º 19, de 17 de maio de 2003. Designa membros para a Comissão Especial de Avaliação. 2003b. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF n.º 101, de 28 mai. 2003b, Seção 2, página 11.

______. Lei nº 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, n. 7, 10 jan. 2001, Seção 1, p. 177, 2001.

______. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, 5 out. 1988, Seção I, p. 1.

DALE, Roger. Constructing risk management of higher education sector through reputational risk management of institutions. In: MOROSINI, Marília Costa (Org.). Qualidade da educação superior: reflexões e práticas investigativas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2011.

p. 32-53 e 54-76. Disponível em:<http://www.pucrs.br/edipucrs>.Acesso em: 01 fev. 2016.

DEUTSCH, Karl Wolfgang. Política e governo. 2.ed. Tradução Maria José da Costa Félix Matoso Miranda Mendes. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1983.

FERNANDES, Ivanildo. Quantificando a ineficiência do Sistema e-MEC. Documento de Trabalho n° 108. Rio de Janeiro: Observatório Universitário, 2015. Disponível em:<http://www.observatoriouniversitario.org.br>. Acesso em: 19 mar. 2016

GRIBOSKI, Cláudia. Regular e/ou induzir qualidade? Os cursos de pedagogia nos ciclos avaliativos do Sinaes. Brasília, 2015. 481 p. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de Brasília. Brasília, 2015.

GUERRA, Margareth. Redes de Avaliação e Acreditação Latino-Americanas: RANA - MERCOSUR EDUCATIVO. In: LEITE, Denise (Org.).Inovação, avaliação e tecnologias da informação. Porto Alegre: Pacartes, 2010. p. 53-72.

LEITE, Denise; GENRO, Maria Elly H. Avaliação e internacionalização da educação superior: Quo vadis América Latina?Avaliação, Campinas, v. 17, n. 3, nov. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414- 40772012000300009&script=sci_arttext>. Acesso em: 14 de maio de 2013.

LOPES, Alice Casimiro. Políticas de currículo: mediação por grupos disciplinares de Ciência e Matemática. In: LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elisabeth. Currículo de Ciência em Debate.Campinas: Papirus, 2004. p. 45-76.

LOWI, Theodor. Arenas of power. USA: Paradigm publishers, 2009.

MOHRMAN, Kathryn; MA, Wanhua; BAKER, David. The research university in transition: the emerging global model,Higher Education Policy,v.21, p. 5–27, 2008.apudDALE, Roger. Constructing risk management of higher education sector through reputational risk management of institutions. In: MOROSINI, Marília Costa (Org.).Qualidade da educação superior: reflexões e práticas investigativas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2011. p.32-53e 54-76. Disponível em:<http://www.pucrs.br/edipucrs>.Acesso em: 01 fev. 2016.

NEAVE, Guy. A few impertinent questions to those who are engaged in selling the family silver: prospects for the evaluative state. CIPES. 2014. Disponível em:< http://sigarra.up.pt/up/en/noticias_geral.noticias_cont?p_id=F638094035/GuyNeave.pdf> Acesso em: 01 fev. 2016.

________________ The evaluative state reconsidered. European Journal of Education, Oxford, 1998, vol. 33, nº 3, p. 265-284.

NEWMAN, Janet; CLARKE, John. Gerencialismo. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 37, n. 2, p. 353-381, maio/ago. 2012.

NUNES, Edson de Oliveira; FERNANDES, Ivanildo; VOGEL, Julia. O INSAES como agência reguladora atípica (análise a partir do PL nº 4372/2012). Observatório Universitário, Documento de Trabalho nº 104, out. 2012, 35 p. Disponível em http://www.observatoriouniversitario.org.br/documentos_de_trabalho/documentos_de_trabalho_104.pdf. Acesso 10 de março de 2016.

OLIVEIRA, Breynner Ricardo de. A implementação do Programa Bolsa Família sob a perspectiva da condicionalidade educacional: uma análise a partir dos agentes públicos de base. Belo Horizonte, 339 p. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação,Universidade Federal de Minas Gerais, 2014.

OSZLAK, Oscar. Políticas públicas e regimes políticos: reflexões a partir de algumas experiências latino-americanas. RAP, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, 1982. Disponível em:<http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/11455>. Acesso em: 07 abr. 2016.

PELLEGRINI, Marcelo. Ensino superior: Prouni criou milionários em troca de má qualidade na educação. Entrevista com Wilson Mesquita de Almeida. Carta Capital. On line. São Paulo, 19 dez. 2014. Disponível em:< http://www. cartacapital.com.br/educacao/prouni-criou-milionarios-em-troca-de-ma-qualidade-na-educacao-7396.html>. Acesso em: 23 mar. 2016.

RISTOFF, Dilvo Ivo; DIAS SOBRINHO, José. Avaliação democrática: para uma universidade cidadã. Florianópolis: Insular, 2002.

ROBERTSON, Susan. Desafios enfrentados por universidades em um mundo em globalização. In: Qualidade na educação superior: reflexões e práticas investigativas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2011. p. 430-451. Disponível em: <http://www.pucrs.br/edipucrs>.Acesso em: 01 fev. 2016.

WILLMOTT, Hugh. Strength is Ignorance; Slavery is freedom: Managing Culture in Modern Organizations. Journal of Management Studies, 30(4), 215-252. 1993.apudBALL, Stephen. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo sem Fronteiras, v.1, n.2, p.99-116, dez. 2001.

Downloads

Publicado

2016-12-21

Como Citar

Peixoto, M. do C. L., Tavares, M. das G. M., Fernandes, I. R., & Robl, F. (2016). Educação Superior no Brasil e a disputa pela concepção de qualidade no Sinaes. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 32(3), 719–737. https://doi.org/10.21573/vol32n32016.68571

Edição

Seção

Expansão da educação superior: balanço, perspectivas e desafios