Princípios da administração fayolista na administração escolar paraense na década de 1920: Os relatórios de Aurelia de Seixas Franco

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol36n22020.102387

Palavras-chave:

Grupo Escolar, Administração Escolar, Fayolismo

Resumo

O artigo tem como objetivo identificar os princípios da administração do Grupo Escolar Benjamin Constant de 1922 a 1927, a partir dos relatórios da diretora Aurélia de Seixas Franco. Para tanto, realizamos uma pesquisa bibliográfica e documental, a qual nos possibilitou inferir que as práticas administrativas da diretora se aproximavam dos princípios do Fayolismo, em um momento no qual o estado do Pará passava por uma crise financeira que afetava o funcionamento da rede escolar como um todo, prejudicando a consolidação do ideário republicano na instrução pública

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monika Reschke, Universidade Federal do Pará

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação na Amazônia - EDUCANORTE. Mestra pelo Programa em Currículo e Gestão da Escola Básica do Núcleo de Estudos Transdisciplinares em Educação Básica da Universidade Federal do Pará (2019). Especialista em Gestão Escolar pela Universidade Federal do Estado do Pará (2015). Especialista em Metodologia do Ensino Superior pela Universidade do Estado do Pará (2006). Graduada em Direito pela Universidade da Amazônia (2011). Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Pará (2004). Técnica em Educação da Secretaria de Estado de Educação (SEDUC/PA). Professora da Secretaria Municipal de Educação de Ananindeua (SEMED). Vice Diretora na Escola Estadual Benjamin Constant. Vice coordenadora do Laboratório de Pesquisas em Memória e História da Educação (LAPEM) do Núcleo de Estudos Transdisciplinares em Educação Básica da Universidade Federal do Pará.

Alberto Damasceno, Universidade Federal do Pará

Professor Titular da Universidade Federal do Pará, docente do Programa de Pós-graduação em Currículo e Gestão da Escola Básica (PPEB) e do Programa de Pós-graduação em Educação na Amazônia (PGEDA). Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1998). Mestre em Educação Escolar Brasileira pela Universidade Federal de Goiás (1991). Graduado em Arquitetura pela Universidade Federal do Pará (1983). Desenvolve estudos na área da História da Educação, Política Educacional, Gestão e Planejamento Educacional. Atualmente coordena o Laboratório de Pesquisas em Memória e História da Educação (LAPEM) e é vice-coordenador do Grupo de Estudos em Educação no Pará na Primeira República (GEPRE). Membro da Sociedade Brasileira de História da Educação (SBHE), da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED), da Associação Nacional de Política e Administração da Educação (ANPAE) e do Instituto Histórico e Geográfico do Pará (IHGP), além da coordenação do Fórum Estadual de Educação do Pará. Foi assessor da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo na gestão de Paulo Freire e foi Secretário de Estado de Desenvolvimento Social do Pará.

Referências

AZEVEDO, Crislane Barbosa de; STAMATTO, Maria Inês Sucupira. Escola da ordem e do progresso: Grupos escolares em Sergipe e no Rio Grande do Norte. Brasília: Liber Livro, 2012.

CARVALHO, Carlos Henrique. República e imprensa: as influências do positivismo na concepção de educação do professor Honório Guimarães (Uberabinha-MG 1905 – 1922). Uberlândia: EDUFU, 2004.

COELHO, Maricilde Oliveira. A escola primária no estado do Pará (1920-1940). 2008. 205 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

DOLL JR, William E. Os remanescentes do currículo. In: Currículo: uma perspectiva pós-moderna. Porto Alegre: ArtMed, 2002. p. 55-68.

DOURADO, Luiz Fernandes. Políticas e gestão da educação básica no Brasil: Limites e perspectivas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 921-946, out. 2007.

FAYOL, Henri. Administração industrial e geral: previsão, organização, comando, coordenação, controle. 10. ed. São Paulo: Atlas, 1989.

LÜCK, Heloisa. Perspectivas da gestão escolar e implicações quanto à formação de seus gestores. Em Aberto, Brasília, v. 17, p. 11-33, fev./jun. 2000.

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Atlas, 2012.

NOSELLA, Paolo; BUFFA, Ester. Instituições Escolares: porque e como pesquisar. Campinas: Alínea, 2009.

PARÁ. Relatório do Grupo Escolar Benjamin Constant 1922-1923. Belém: Imprensa Official, 1923.

PARÁ. Relatório do Grupo Escolar Benjamin Constant 1925-1926. Belém: Imprensa Official, 1926.

PARÁ. Relatório do Grupo Escolar Benjamin Constant 1926-1927. Belém: Imprensa Official, 1927.

PARO, Vitor. Administração escolar: introdução crítica. 17. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

PENTEADO, Ana Elisa de Arruda; BEZERRA NETO, Luiz. História da Administração Escolar no Brasil. Campinas: Editora Alínea, 2012.

REBELATTO, Durlei Maria Bernardon. Trajetória da administração educacional no Brasil: tessituras, rupturas e continuidades. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO, 4., 2014, Laranjeiras. Anais... Joaçaba: UNOESC, 2014. p. 321-334.

RIBEIRO, José Querino. Fayolismo na Administração das Escolas Públicas. São Paulo: Linotechina, 1938.

SANDER, Benno. Administração da Educação no Brasil: genealogia do conhecimento. Brasília: Liber Livro, 2007.

SOUZA, Rosa Fátima de. Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no estado de São Paulo: (1890-1910). São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.

SOUZA, Rosa Fátima de. Lições da escola primária. In: SAVIANI, Dermeval et al. (Org.). O legado educacional do século XX no Brasil. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2014. p. 101-141.

TEIVE, Gladys Mary Ghizoni; DALLABRIDA, Norberto. A escola da República: os grupos escolares e a modernização do ensino primário em Santa Catarina (1911-1918). Campinas: Mercado de Letras, 2011.

WAHRLICH, Beatriz Marques de Souza. Uma análise das teorias de organização. 3. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1974.

Downloads

Publicado

2020-08-19

Como Citar

Reschke, M., & Damasceno, A. (2020). Princípios da administração fayolista na administração escolar paraense na década de 1920: Os relatórios de Aurelia de Seixas Franco. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 36(2), 580–599. https://doi.org/10.21573/vol36n22020.102387