Gestão da Educação com Justiça Social. Que Gestão dos Injustiçados?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol36n22020.100820

Palavras-chave:

Estado, razão gestora, Justiça social, Resistência ativa, Formação de gestores-educadores, Gestão de injustiçados

Resumo

O texto destaca a radicalidade política de propor uma Gestão da Educação com resistência ativa para uma agenda democrática com justiça social. Que gestão da educação e que formação de gestores? Que exigências para a formação de gestores-educadores? O texto prioriza um olhar político: reafirmar a gestão da educação na razão gestora do Estado, no como o Estado administra os Outros, os oprimidos nas relações políticas de poder. O texto dá centralidade à gestão da educação com justiça social: Que justiça social em tempos de justiça justiceira, produtora de injustiçados? Que formação de gestores para a gestão dos injustiçados resistentes?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Miguel Gonzalez Arroyo, Faculdade de Educação/UFMG

Doutor em Educação pela Stanford University e pós-doutor pela Universidade Complutense de Madri. Professor titular emérito da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Doutor Honoris Causa da Universidade Federal Fluminense (UFF). Foi secretário-adjunto de Educação da Prefeitura de Belo Horizonte. Publicou pela Editora Vozes os livros: Ofício de mestre: imagens e autoimagens (2000); Imagens quebradas – trajetórias e tempos de alunos e mestres (2004); Currículo, território em disputa (2011); Outros sujeitos, outras pedagogias (2012); Passageiros da Noite: do trabalho para a EJA – Itinerários pelo direito a uma vida justa (2017); Vidas ameaçadas: Exigências-respostas éticas da educação e da docência (2019). Organizador de Da escola carente à escola possível (Loyola, 1986). Co-organizador de: Corpo-Infância: exercícios tensos de ser criança – Por outras pedagogias dos corpos (Vozes, 2012); Trabalho-Infância: exercícios tensos de ser criança – Haverá espaço na agenda pedagógica? (Vozes, 2015).

Referências

ARROYO, M. G. Vidas ameaçadas: Exigências-respostas éticas da educação e da docência. 1 ed. Petrópolis: Vozes, 2019.

ARROYO, M. G. Reafirmação das lutas pela educação em uma sociedade desigual? Educação & Sociedade, Campinas, v. 39, n. 145, p. 1098-1117, 2018.

ARROYO, M. G. Passageiros da Noite: do trabalho para a EJA. Itinerários pelo direito a uma vida justa. Petrópolis: Vozes, 2017.

ARROYO, M. G. O humano é viável? É educável? Revista Pedagógica, v.17, p.21-40, 2015.

ARROYO, M. G. O direito à educação e a nova segregação social e racial – tempos insatisfatórios? Educação em Revista, v. 31, n. 3, p.15-47, jul./set. 2015.

ARROYO, Miguel G.; VIELLA, M.A.L. & SILVA, M.R. (Org.). Trabalho-Infância: Exercícios Tensos de ser Criança. Haverá Espaço na Agenda Pedagógica? Petrópolis: Vozes, 2015.

ARROYO, Miguel G. & SILVA, M.R. (Org.). Corpo-infância: exercícios tensos de ser crianças; por outras pedagogias dos corpos. Petrópolis: Vozes, 2012.

ARROYO, Miguel G. Imagens Quebradas: trajetórias e tempos de alunos e mestres. Petrópolis: Vozes, 2004.

ARROYO, Miguel G. & SILVA, M.R. Administração da Educação, Poder e Participação. Educação & Sociedade, v.1, p. 36-46, 1979.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

OLIVEIRA, Francisco de. Entre a terra e o céu: mensurando a utopia? Democracia Viva. Rio de Janeiro, Ibase, n. 6, agosto, 1999.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, B. S.; MENEZES, M. P. (Org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SANTOS, B. S.; MENEZES, M. P. (Org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

Downloads

Publicado

2020-08-19

Como Citar

Arroyo, M. G. (2020). Gestão da Educação com Justiça Social. Que Gestão dos Injustiçados?. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 36(2), 768–788. https://doi.org/10.21573/vol36n22020.100820