Por uma Genética Teatral: premissas e desafios

Autores

  • Almuth Grésillon Centre National de la Recherche Scientifique – CNRS
  • Marie-Madeleine Mervant-Roux (Centre National de la Recherche Scientifique, CNRS - Paris, França)
  • Dominique Budor (Université Paris III Sorbonne Nouvelle – França)

Palavras-chave:

Genética Teatral, Teatro, Texto, Performance, Inacabamento

Resumo

É possível aplicar ao teatro o método genético, conhecido e utilizado no domínio da literatura? A obra teatral é um conjunto heterogêneo de dados textuais e cênicos, uma entidade efêmera e fugidia, pois toda encenação, mas também cada apresentação, engendra necessariamente novas  modificações: cortes no texto; variações nos movimentos dos corpos; os timbres das vozes; as luzes; o ritmo do acontecimento, etc. Como, nessas condições, retraçar a gênese da obra, entre objetos de diversos tipos e de múltiplos acabamentos?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2013-06-06

Como Citar

Grésillon, A., Mervant-Roux (Centre National de la Recherche Scientifique, CNRS - Paris, França), M.-M., & Budor (Université Paris III Sorbonne Nouvelle – França), D. (2013). Por uma Genética Teatral: premissas e desafios. Revista Brasileira De Estudos Da Presença, 3(2), 379–394. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/presenca/article/view/36374

Edição

Seção

Genética Teatral

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)