Josephine Baker e Mercedes Baptista:

casos de representações da mulher negra na dança

Autores

Palavras-chave:

Josephine Baker, Mercedes Baptista, Estereótipos, Danças Cênicas, Representação, dança cênica

Resumo

A partir da análise da trajetória de duas bailarinas, Josephine Baker e Mercedes Baptista, o artigo propõe uma reflexão acerca do conceito de estereótipos de Stuart Hall. Por serem mulheres negras, categorias eram aplicadas às suas movimentações sem maior profundidade: para Josephine, identificação com danças primitivas; para Mercedes, a falta de reconhecimento de um corpo negro em destaque na dança clássica. As formas como elas lideram com estereótipos e se tornaram agentes de seus corpos, além das marcas que deixaram na sociedade ocidental, serão aqui objetos de análise.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julia Baker, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Doutoranda em Artes da Cena no Instituto de Artes da UNICAMP. Mestre em História, Política e Bens Culturais (CPDOC/FGV/RJ). Especialização em História da Arte e da Arquitetura no Brasil (PUC/RJ).  Bacharel em Ciências Sociais (UERJ) e em Produção Cultural (UFF).

Cássia Navas, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Professora-doutora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena/Instituto de Artes (IA)/Universidade Estadual de Campinas, é graduada em direito (USP), doutora em dança e semiótica (PUC/SP), pós-doutora em artes (ECA/USP), especialista em gestão e políticas culturais (UNESCO, Université de Dijon, Ministère de la Culture/France).

Referências

AMALVI, Gilles. Interview with Latifa Laâbissi about Grimace du réel. In Musée de La Danse, Rennes, 2010. Disponível em: http://www.museedeladanse.org/en/articles/interview-with-latifa-laabissi-about-grimace-du-reel-by-gilles-amalvi.html. Acessado em 17 de jan de 2022.

BAKER, Julia. “Ocupar e desconstruir — a derrubada simbólica de estátuas colonizadoras através da série Devolta de Diambe da Silva”. Cuadernos de Música, Artes Visuales y Artes Escénicas. Bogotá, 17 (1): 58-73, janeiro/2022. Disponível em: https://doi.org/10.11144/javeriana.mavae17-1.caap. Acessado em 17 de jan de 2022

BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política - ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas, volume I, 2ª edição, São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. Lisboa, Portugal: Editorial Presença: 2005.

BOYCE-DAVIES, Carole E.(organização) Encyclopedia of the African diaspora: origins, experiences, and culture. Santa Bárbara, Califórnia, EUA: ABC-CLIO, Inc., 2008.

CESARINO, Pedro. Conflitos de pressupostos da Antropologia da Arte. Revista Brasileira de Ciências Sociais. v. 32, no 93. 2017. p.1-17.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Editora Vozes, 2014.

GOTTSCHILD, Brenda Dixon. The black dancing body: a geography from coon to cool. Londres, Reino Unido: Palgrave MacMillan, 2003.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Editora PUC-RJ: Apicuri, 2016.

NASCIMENTO, Abdias do. Teatro Experimental do Negro: trajetórias e reflexões. Revista Estudos Avançados. São Paulo. v.18 n.50, p. 209-224, jan./abr. 2004. Disponível em https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/9982/11554. Acessado em 25 de nov de 2021.

NAVAS, Cássia. Potência da tradição no contemporâneo, In programa de sala, temporada José Limón Dance Co., SESC São Paulo, Sesc Vila Mariana, São Paulo, 2011.

SILVA JUNIOR, Paulo Melaço da. Mercedes Baptista - A criação da identidade negra na dança. Rio de Janeiro, sem editora, Programa de Bolsa RioArte, 2007

VILLEROY, Erika - Ballet Folclórico Mercedes Baptista: entre brasilidade e negritude no Rio de Janeiro das décadas de 1950 e 1960. Arte & Ensaios, Rio de Janeiro, PPGAV-UFRJ, v. 27, n. 41, p. 110-126, jan.-jun. 2021. Disponível em: http://revistas.ufrj.br/index.php/ae. Acessado em 25 de nov de 2021

Referências sites:

JOSEPHINE Baker. The official site. Disponível em: http://www.cmgww.com/stars/baker/about/biography/. Acesso em 20 de nov de 2021.

JOSEPHINE Baker, “a mulher mais exótica do mundo”. Biblioteca Nacional. Disponível em: https://www.bn.gov.br/acontece/noticias/2020/06/josephine-baker-mulher-mais-exotica-mundo. Acesso em: 01 de dez de 2021.

REVISTA VOGUE. Disponível em: https://www.vogue.com/article/josephine-baker-90th-anniversary-banana-skirt. Acesso em: 02 de dez de 2021.

SHUFFLE Along: The Musical at the Center of the Harlem Renaissance. Drop me off in Harlem. Disponível em: https://artsedge.kennedy-center.org/interactives/harlem/themes/shuffle_along.html . Acesso em 30 de nov de 2021.

Referências Videográficas:

SANTIAGO, Lilian Solá e MONTEIRO, Marianna. Documentário: Balé de Pé no Chão - A Dança Afro de Mercedes Baptista. Produção:Terra Firme Digital/ Co-Produção: SESC TV. Duração:50':36", 2005. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=xx8TrK-wZq8

Acessado em 17 de jan de 2022.

Publicado

2022-10-27

Como Citar

Baker, J., & Navas, C. (2022). Josephine Baker e Mercedes Baptista:: casos de representações da mulher negra na dança. Revista Brasileira De Estudos Da Presença, 12(4), 1–23. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/presenca/article/view/121937

Edição

Seção

Poéticas negras na cena contemporânea