Nomear é Dominar?

Universalização do teatro e o silenciamento epistêmico sobre manifestações cênicas afro-brasileiras

Autores

  • Alexandra Gouvêa Dumas UFBA

Palavras-chave:

teatro e colonização, culturas afro-populares, artes cênicas e decolonialidade, racismo epistêmico

Resumo

Ao considerar o teatro como uma das diversas manifestações cênicas da humanidade, pretende-se, com esta digressão textual, desnaturalizar a sua universalização, situando-a no contexto histórico e cultural do processo colonizador brasileiro. A centralidade excludente do teatro branco-ocidental promove o racismo epistêmico e, proveniente deste, o racismo estético que se apresenta em diversos espaços de poder, incluindo as universidades brasileiras. Os estudos acerca da decolonialidade oferecem um amparo teórico, aqui usado por meio da revisão de literatura sobre o tema, assim como a análise de documento curricular de cursos de graduação em Teatro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandra Gouvêa Dumas, UFBA

Departamento de Fundamentos do Teatro da UFBA

Publicado

2022-10-27

Como Citar

Dumas, A. G. (2022). Nomear é Dominar? : Universalização do teatro e o silenciamento epistêmico sobre manifestações cênicas afro-brasileiras. Revista Brasileira De Estudos Da Presença, 12(4), 1–21. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/presenca/article/view/121806

Edição

Seção

Poéticas negras na cena contemporânea