Corpo Brincante:

a presença travesti nas performances dos quilombos de Reisado

Autores

  • Ribamar José de Oliveira Junior Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)/Doutorando em Comunicação e Cultura http://orcid.org/0000-0002-5607-2818

Palavras-chave:

Corpo. Reisado, Travesti, Performance, Quilombo.

Resumo

Este artigo analisa a performance dos quilombos de Reisado a partir da presença travesti na cultura popular de Juazeiro do Norte, região do Cariri, interior do Ceará. No objetivo de refletir sobre a performance e suas formas animadas, considera-se uma das passagens da cartografia que segue em curso pelas dissidências sexuais e de gênero nos Reisados cearenses, em que se acompanhou o quilombo do grupo Sagrada Família entre a performance de gênero e a animação da brincadeira. Por meio da rota de uma das primeiras Mestras travestis, aponta-se o encantravar do corpo brincante como caminho para, nas espirais do tempo brincado, louvar o corpo travesti.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ribamar José de Oliveira Junior, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)/Doutorando em Comunicação e Cultura

Jornalista e pesquisador. Doutorando em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Especialista em Gênero e Sexualidade na Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Graduado em Comunicação Social – Jornalismo pela Universidade Federal do Cariri (UFCA). Autor do livro “As cicatrizes da espada: o artivismo das dissidências sexuais e de gênero nos Reisados do Padre Cícero” (2020).

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2015.

ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz de. Feira dos mitos: a fabricação do folclore e da cultura popular (Nordeste 1920-1950). São Paulo: Intermeios, 2013.

ALCURE, Adriana Schneider. Rir de si: comicidade, política e a noção de “brincadeira”. Moringa-Artes do Espetáculo, João Pessoa, UFPB, v. 10, n. 2, p. 151-172, jun-dez, 2019.

AMARAL, Ana Maria. Teatro de formas animadas. São Paulo: Edusp, 1996.

ARTAUD, Antonin. O teatro e seu duplo. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BARROSO, Oswald. Teatro como encantamento: bois e reisados de caretas. Fortaleza: Armazém Cultural, 2013.

BARROSO, Oswald. Teatro popular tradicional: Reis de Congo. Forteleza: Minc/MIS, 1997.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: Obras escolhidas. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1994.

BENTO, Berenice. Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos. Salvador: Edufba, 2017.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética Relacional. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BRASILEIRO, Castiel Vitorino. Eclipse. New York: CSS Bard/Hessel Museum, 2021.

BUTLER, Judith. Corpos que importam: os limites discursivos do “sexo”. São Paulo: n-1 edições, 2020.

COLLING, Leandro. A vontade de expor: arte, gênero e sexualidade. Salvador: Edufba, 2021.

DELEUZE, Gilles. Sobre o teatro. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

DELEUZE; Gilles. GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia – vol. 1. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

FABIÃO, Eleonora. Performance e teatro: poéticas e políticas da cena contemporânea. Sala Preta, São Paulo, USP, v. 8, p. 235-246, novembro, 2008.

FERRACINI, Renato; PUCCETTI, Ricardo. Presença em acontecimentos. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, UFRGS, v. 1, n. 2, p. 360-369, jul-dez, 2011.

GLISSANT, Édouard. Poética da Relação. Portugal: Porto Editora, 2011.

HARTMAN, Saidiya. Vênus em dois atos. Revista ECO-Pós, Rio de Janeiro, UFRJ, v. 23, n. 3, p. 12-33, dezembro, 2020.

ICLE, Gilberto. Estudos da Presença: prolegômenos para a pesquisa das práticas performativas. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, UFRGS, v. 1, n. 1, p. 9-27, jul-dez, 2011,

LAPOUJADE, David. As existências mínimas. São Paulo: n-1 edições, 2017.

LEAL, Dodi Tavares Borges. Fabulações travestis sobre o fim. Conceição/Conception, Campinas, Unicamp, v. 10, n. 1, p. 1-19, maio, 2021.

LEAL, Dodi; ROSA, André. Transgeneridades em Performance: desobediências de gênero e anticolonialidades das artes cênicas. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, UFRGS, v. 10, jul-set, p. 1-29, 2020.

LOPES, Denilson. Afetos. Estudos queer e artifício na América Latina. E-Compós, Brasília, Compós, v. 19, n. 2, p. 1-16, outubro, 2016.

MARTINS, Leda. Afrografias da memória: o reinado do rosário do Jatobá. São Paulo: Perspectiva, 1997.

MARTINS, Leda. Performances do tempo espiralar. In: ARBEX, Márcia; RAVETTI, Graciela (Org.). Performance, exílio, fronteiras: errâncias territoriais e textuais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2002. p. 69-92.

MOMBAÇA, Jota. Não vão nos matar agora. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2020.

NYONG’O, Tavia. Afro-fabulations: the queer drama of black life. New York: NYU Press, 2018.

PAVIS, Patrice. O teatro no cruzamento de culturas. São Paulo: Perspectiva, 2008.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Ed. 34, 2005.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Estação Liberdade, 1989.

SIMAS, Luiz Antonio; RUFINO, Luiz. Encantamento: sobre política de vida. Mórula Editorial, 2020.

SILVA, Denise Ferreira da. A dívida impagável. São Paulo: Forma Certa, 2019.

WASZKIEL, Halina. Teatro de Formas Animadas. Móin-Móin-Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, Florianópolis, Udesc, v. 2, n. 21, p. 208-221, dezembro, 2019.

Publicado

2022-07-22

Como Citar

Oliveira Junior, R. J. de. (2022). Corpo Brincante:: a presença travesti nas performances dos quilombos de Reisado. Revista Brasileira De Estudos Da Presença, 12(3), 1–30. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/presenca/article/view/118634

Edição

Seção

Performance e Formas Animadas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)