O Kasper está morto?

Domesticação e doutrinação do Kaspertheater durante o Nacional-Socialismo

Autores

Palavras-chave:

Teatro, Antropologia, Estudos da Performance, História

Resumo

O texto investiga as estratégias utilizadas na apropriação do Kaspertheater, forma popular de teatro de bonecos alemã, para fins de propaganda no Nacional-Socialismo. Especula-se que seu personagem característico, o Kasper, teria surgido no século XVIII, na Áustria, como derivação do Hanswurst, uma figura mais antiga. O Kasper foi adaptado para peças de ideologia nazista e, também neste contexto, bonequeiros profissionais e amadores se apresentaram nos fronts da Segunda Guerra Mundial. Esta análise está baseada em entrevistas, pesquisa em acervos e documentos históricos. Traz ainda, como contraponto, encenações contemporâneas do Kaspertheater, em especial, Kasper Unser, de Hans-Jochen Menzel.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Schneider Alcure, UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora do Curso de Direção Teatral e do Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena, da Escola de Comunicação, da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Superintendente de Difusão Cultural, do Fórum de Ciência e Cultura, da UFRJ. Coordena, desde 2017, com a professora Eleonora Fabião, o NEP - Núcleo Experimental de Performance, na UFRJ. Membro da Akademie der Künste der Welt (Academia das Artes do Mundo), de Köln (Colônia), na Alemanha. Contemplada no PROGRAMA DE BOLSAS PARA PESQUISA CAPES/HUMBOLDT EDITAL No 36/2017 - 12a CHAMADA, na modalidade Pesquisador Experiente, para realizar a pesquisa de Pós-Doutorado "Estratégias artísticas, políticas e pedagógicas dos usos das formas populares de teatro de bonecos: o caso do Kasperltheater" , com supervisão da Prof. Dra. Karoline Noack (Institut für Archaologie und Kulturanthropologie da Universität Bonn), de setembro de 2018 a outubro de 2019. Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena - PPGAC / ECO - UFRJ entre 2015 e 2017. Formada em Comunicação Social - Jornalismo pela PUC-RJ (1994). Mestre em Artes Cênicas pelo PPGAC - UNIRIO (2001). Doutora em Antropologia pelo PPGSA / IFCS / UFRJ (2007), com estágio doutoral na Freie Universität -Berlin, na Alemanha, realizado com bolsa DAAD/CNPq (2005/2006). Recebeu o Prêmio de Pesquisa por Abertura de Campo do Instituto Internacional da Marionete, de Charleville-Mézières, na França, pela tese de doutorado (Prix de la Recherche: Ouverture de champ - Institut International de la Marionnette), em setembro de 2015. Em 2006, recebeu bolsa para pesquisar nos arquivos do Institut International de la Marionnette, em Charleville-Mézières, na França, também como parte de seus estudos de doutoramento. Realizou Pós-Doutorado em História do Teatro Brasileiro no PPGAC-UNIRIO com a pesquisa “As danças características no Brasil na segunda metade do século XIX: o lundu de Marieta Baderna", com bolsa CNPq (2008). Participou do processo de registro como patrimônio imaterial das formas populares de teatro de bonecos do Nordeste brasileiro: Mamulengo, Babau, Cassimiro Coco e João Redondo, tendo dirigido os filmes documentários que fundamentaram a pesquisa para o IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (2015). É atriz e diretora de teatro, com diversos espetáculos encenados. Integrante do Coletivo Bonobando, do Grupo Pedras de Teatro e da Muda Outras Economias.

Referências

ALCURE, Adriana Schneider. A Zona da Mata é rica de cana e brincadeira: uma etnografia do mamulengo. Instituto de Filosofia e Ciências Sociais. Programa de Pós- Graduação em Sociologia e Antropologia, UFRJ, 2007. Tese (Doutorado em Sociologia e Antropologia)

BENJAMIN, Walter. O autor como produtor. Conferência pronunciada no Instituto para o Estudo do Fascismo, em 27 de abril de 1934. IN: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994. (120 - 136).

BOHLMEIR, Gerd. Figurentheater im Ideologiekonsens: Das Reichinstitut für Puppenspiel IN: KOLLAND, Dorothea und Puppentheater-Museum Berlin (Hrsg.). Front Puppen Theater: Puppenspieler im Kriegsgeschehen. Berlin: Elefanten Press, 1997. (121-131).

BURKE, Peter. A cultura popular na Idade Moderna: Europa, 1500-1800. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

ELIAS, Norbert. Os Alemães. A luta pelo poder e a evolução do habitus nos séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

FLEURY, Raphaéle & SERMON, Julie. Marionnettes et Pouvoir: censures, propagandes, resistences. Montpellier: Deuxième Époque, 2019.

GROSSHANS, Henry. Hitler and the Artists. New York; London: Holmes & Meier, 1983.

KERSHAW, Ian. Hitler. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

KOLLAND, Dorothea und Puppentheater-Museum Berlin (Hrsg.). Frontpuppentheater: Puppenspieler im Kriegsgeschehen. Berlin: Elefanten Press, 1997.

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a Dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. IN: MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003. (183-314).

MOSSE, George Lachmann (Ed.). Nazi Culture: Intellectual, Cultural and Social Life in the Third Reich. New York: Grosset & Dunlap Publishers, 1966.

NIVEN, William. The birth of Nazi drama?: Thing plays. IN: LONDON, John (Ed.). Theatre under the Nazis. Manchester: Manchester University Press, 2000. (54-95).

PLASSARD, Didier. Guignol va à la guerre. IN: Puck, n° 3, Charleville-Mézières, Institut International de la Marionnette, pp. 28-35, 1990.

PLASSARD, Didier. La marionnette, ça sert aussi à faire la guerre. L’image des combattants au prisme du théâtre de marionnettes pendant la Première guerre mondiale. Communication au colloque: Tommies, Poilus, Frontschweine - Représentations artistiques de soi et de l’autre dans la Grande Guerre. Université Paul Valéry – Montpellier 3, 16-17 novembre 2017. (mimeo).

Reichsinstitut für Puppenspiele (Hrsg.): Spiele und Köpfe für das Kaspertheater. Berlin [ca.1940].

SAFATLE, Vladimir. Sobre um riso que não reconcilia: Notas a respeito da ‘ideologia da ironização’. IN: A Parte Rei: Revista de Filosofia. Número 55, pp. 1-13, enero de 2008. Acesso em 26 de julho de 2021:http://serbal.pntic.mec.es/~cmunoz11/safatle55.pdf

TECHNAU, Silke. Zu Besuch in der Kasperbude. Streifzüge über den Jahrmarkt ins Figurentheater. Frankfurt/Main: Puppen&Masken, 1992.

TECHNAU, Silke. To Wihnachten sinn wi wedder dohus. Puppentheater im Kriegsgefangenenlager Aliceville/Alabama. IN: KOLLAND, Dorothea (Hrsg.). Frontpuppentheater. Puppenspieler im Kriegsgeschehen. Puppentheater-Museum Berlin. Berlin: Elefanten-Press, 1997. (142-151).

Publicado

2022-07-22

Como Citar

Alcure, A. S. (2022). O Kasper está morto? : Domesticação e doutrinação do Kaspertheater durante o Nacional-Socialismo. Revista Brasileira De Estudos Da Presença, 12(3), 1–25. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/presenca/article/view/117208

Edição

Seção

Performance e Formas Animadas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)