A literatura que move a obra de Lia Rodrigues

Autores

Palavras-chave:

Dança, Literatura, Lia Rodrigues, Favela

Resumo

Este artigo apresenta as leituras que moveram o trabalho da coreógrafa Lia Rodrigues (1956), desde os anos 1990, até sua peça de 2016, Para que o céu não caia. O estudo elenca obras de ficção e não ficção, incluindo literatura, filosofia e antropologia, que serviram de dispositivos disparadores para as dramaturgias dos trabalhos, sem, contudo, buscar traduzir a palavra escrita de forma linear ou narrativa em dança. A análise apresenta estas dobras coreográficas, que fogem de uma leitura convencional, para atingir estados corporais nos bailarinos. O levantamento das leituras é apresentado em sua relação com o repertório da companhia, propondo diálogos de fragmentos dos textos com a dança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Pavlova, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC RJ

Doutoranda de LIteratura, Cultura e Contemporaneidade na PUC-RJ, jornalista e crítica de dança do jornal O Globo (Rio de Janeiro) e mestre em Artes da Cena pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro em 2015.

Publicado

2021-12-27

Como Citar

Pavlova, A. (2021). A literatura que move a obra de Lia Rodrigues. Revista Brasileira De Estudos Da Presença, 12(1), 1–29. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/presenca/article/view/113657

Edição

Seção

Dança: História e Historiografia