Rupestres Dançantes:

o radical do corpo em movimento intencional estético

Autores

  • Sylviane Guilherme Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Unesp
  • Silvia Aparecida de Sousa Fernandes Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - Unesp

Palavras-chave:

Corpo, Dança, Arte, Trabalho, Materialismo histórico e dialético

Resumo

O presente texto apresenta uma análise crítica sobre a dança, a partir da perspectiva do materialismo histórico e dialético, das formulações de Karl Marx e dos estetas marxistas conseguintes a ele, propondo um estudo sobre o conceito, a razão e a finalidade da dança para o gênero humano. Aborda temas como o trabalho, enquanto categoria fundante do ser humano. Em sequência, o movimento corporal humano como trabalho de criação livre, os movimentos corporais intencionais de trabalho e o processo de transição destes para movimentos dançantes. E, por fim, a partir dos estudos acerca das manifestações humanas desenvolvidas no plano estético, como o ser humano chegou à dança como arte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOTTOMORE, Tom. (ed.) Dicionário do Pensamento Marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

BOURCIER, Paul. História da Dança no Ocidente. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BRACHT, Valter. Educação física e aprendizagem social. Porto Alegre: Magister, 1992.

BRUN, Jean. A mão e o espírito. Rio de Janeiro: Edições 70, 1991.

CAMPBELL, Bernard. A Evolução da mão do homem. In: ENGELS, Friedrich. O papel do trabalho na transformação do macaco em homem. São Paulo: Global Editora, 1990.

ENGELS, Friedrich. O papel do trabalho na transformação do macaco em homem. São Paulo: Global Editora, 1990.

FARO, Antônio José. Pequena história da dança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.

FREDERICO, Celso. A arte no mundo dos homens: O itinerário de Lukács. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

LABAN, Rudolf Von. Domínio do Movimento. São Paulo: Summus, 1978.

LESSA, Sérgio; TONET, Ivo. Introdução à filosofia de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

LUKÁCS, Georg. Estética 1: La peculiaridad de lo estético. Barcelona: Grijalbo, 1982.

MARX, Karl. O Capital. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

MARX, Karl. Manuscritos econômicos-filosóficos. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004.

MOTA, Julio. Rudolf Laban, a Coreologia e os Estudos Coreológicos. In: Repertório: teatro & dança / Universidade Federal da Bahia. Salvador: UFBA/PPGAC, 2012. p. 58-70.

OAKLEY, Kenneth B.. O homem como ser que fabrica utensílios. In:

ENGELS, Friedrich. O papel do trabalho na transformação do macaco em homem. São Paulo: Global Editora, 1990.

OSSONA, Paulina. A educação pela dança. São Paulo: Summus, 1988.

PAES, Paulo C. Duarte. As ideias estéticas de Marx e a arte pós-moderna. V Encontro Brasileiro de Educação e Marxismo: Florianópolis, 2011.

RENGEL, Lenira. Dicionário Laban. São Paulo: Annablume, 2005.

SABINO, Jorge; LODY, Raul. Danças de Matriz Africana: antropologia do movimento. Rio de Janeiro: Pallas, 2011.

SOARES, Carmen Lúcia et al. Metodologia do Ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992.

TELLES, Fernando da Silva. Educação: transmissão de conhecimento. In: CALAZANS, J.; CASTILHO, J.; GOMES, S. (Org.). Dança e educação em movimento. São Paulo: Cortez, 2003. p. 78-83.

VÁZQUEZ, Adolfo Sánchez. As ideias estéticas de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

Publicado

2022-07-22

Como Citar

Guilherme, S., & Fernandes, S. A. de S. (2022). Rupestres Dançantes: : o radical do corpo em movimento intencional estético. Revista Brasileira De Estudos Da Presença, 12(3), 1–29. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/presenca/article/view/113530

Edição

Seção

Outros Temas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)