Retorno a Paris:

Thomas Ostermeier e a performatização da identidade gay

Autores

Palavras-chave:

Teatro Alemão, Thomas Ostermeier, Estudos Queer, Teatro Contemporâneo

Resumo

Em seus espetáculos, o diretor alemão Thomas Ostermeier propõe uma abordagem sociológica que procura encenar as relações e as estruturas de poder de nossa contemporaneidade. Quais são os obstáculos à concretização de tais objetivos quando o foco recai sobre o entrecruzamento dos eixos de opressão de raça, classe e gênero? O presente ensaio busca investigar as contradições inerentes ao autodeclarado realismo sociológico de Ostermeier a partir da reflexão sobre os espetáculos Retour à Reims [Retorno a Reims] (2019) e Histoire de la Violence [História da Violência] (2020), baseados nas respectivas obras literárias homônimas de Didier Eribon e Édouard Louis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manoel Silvestre Friques, UNIRIO | UFRJ

Manoel Silvestre Friques é Teórico do Teatro (UNIRIO) e Engenheiro de Produção (UFRJ). Doutor em História no Programa de História Social da PUC-Rio, foi Visiting Scholar da Columbia Univeristy (2015-16), é Mestre em Artes Cênicas pela UNIRIO. Professor da Escola de Engenharia de Produção da UNIRIO e do Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena da UFRJ, deu aulas, entre 2008 e 2013, nos cursos de Design de Moda e Artes da Faculdade SENAI Cetiqt. Publicou o livro de críticas Seis Chaves (EAV, 2012) e ensaios nas revistas Concinittas, Poeisis, Arte & Ensaios, Percevejo, Urdimento, E-compós, dentre outras. Dentre suas últimas curadorias destacam-se "Bailado no Tempo", individual de Juana Amorim (Centro de Justiça Federal, 2017), "Lúmens" (Furnas Espaço Cultural), "Incorpóreo" (Centro de Justiça Federal), ambas individuais de João Penoni em 2013; "Brazo de Monte", exposição individual de Andrés Boero Madrid, no Uruguai em 2014; e as exposições coletivas "Coisas Vistas Aqui e Ali, Sem Óculos" e "Curadoria Operária" (ambas no Espaço Cultural Sergio Porto, 2014).

Referências

BARTHES, Roland. Écrits sur le théâtre. Paris: Éditions du Seuil, 2002.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: HOLANDA, Heloisa Buarque (org.). Pensamento Feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

ERIBON, Didier. “Queer”, letra S: “Somos raritos, aquí estamos”, en Dictionaire del cultures gays et lesbiennes, Larousse/VUEF, 2003.

ERIBON, Didier. Reflexões sobre a questão gay. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2008.

ERIBON, Didier. Retour à Reims. Paris: Champs Essais, 2018.

FRIQUES, Manoel Silvestre. (2015). Melancolia e antropotécnica na cena alemã: Falk Richter e Rodrigo García. In: revista Sala Preta, 15(1), 276-287. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v15i1p276-287

FRIQUES, Manoel Silvestre. (2018). Transgêneros teatrais. In: Revista Aspas, 8(1), 41-97. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3999.v8i1p41-97

FRIQUES, Manoel Silvestre. BASBAUM, Ricardo. (2020). O que pode uma curadoria descolonial? In: Revista Poiésis, v. 21, n. 35, 11-16. https://doi.org/10.22409/poiesis.v21i35.40530

HALL, Stuart. Cultura e Representação. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio, Apicuri, 2016.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LORDE, Audre. Idade, raça, classe e gênero: mulheres redefinindo a diferença. In: HOLANDA, Heloisa Buarque (org.). Pensamento Feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

LOUIS, Édouard. Cinq questions à Édouard Louis. In: ERIBON, Didier. Retour à Reims. Paris: Champs Essais, 2018.

MUÑOZ, José Esteban. Disidentifications: Queers of Color and the Performance of Politics. Londres, Minneapolis: University of Minnesota Press, 2016.

OSTERMEIER, Thomas. Le Théâtre et la Peur. Paris: Actes Sud, 2016.

OSTERMEIER, Thomas. LOUIS, Édouard. Au coeur de la violence. Paris: Éditions du Seuil, 2019.

OSTERMEIER, Thomas. Programa da Peça Histoire de la Violence. Paris: Théâtre de la Ville, 2020.

POIRSON, Martial; BARBÉRIS, Isabelle. L’Économie du spectacle vivant. Paris: PUF, 2016.

PRECIADO, Paul B. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 edições, 2017.

PRECIADO, Paul B. Multidões queer: notas para uma política dos “anormais”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 11-20, 2011.

VIDARTE, Paco. Ética Bixa: proclamações libertárias para uma militância LGBTQ. São Paulo: n-1 edições, 2019.

WITTIG, M. The straight mind. Feminist Issues, v. 1, n. 1, p. 103-111, 1980.

Sites

https://next.liberation.fr/theatre/2019/01/17/retour-a-reims-fausse-route_1703623,

acessado em 16 de março de 2020.

https://www.nouveau-magazine-litteraire.com/th%C3%A9%C3%A2tre/eribon-relu-par-ostermeier-un-retour-rat%C3%A9, acessado em 16 de março de 2020.

https://www.jeuneafrique.com/mag/379501/culture/blade-mc-alimbaye-rapper-negritude/, acessado em 16 de março de 2020.

https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2018/12/escritor-frances-conta-por-que-quis-proteger-homem-que-tentou-mata-lo.shtml, acessado em 16 de março de 2020.

https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2019/05/em-tres-livros-edouard-louis-ja-arranjou-briga-com-mae-e-politico.shtml, acessado em 16 de março de 2020.

https://brasil.elpais.com/brasil/2015/05/22/cultura/1432306012_795615.html, acessado em 16 de março de 2020.

Publicado

2022-06-28

Como Citar

Friques, M. S. (2022). Retorno a Paris:: Thomas Ostermeier e a performatização da identidade gay. Revista Brasileira De Estudos Da Presença, 12(2), 1–23. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/presenca/article/view/110895

Edição

Seção

Temas Contemporâneos III

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)