Uma paisagem abstrata: Fargo, o erro e a imagem-mental

Autores

  • João Martins Ladeira Universidade Federal do Paraná, UFPR

DOI:

https://doi.org/10.19132/1807-8583202152.99882

Palavras-chave:

Imagem-mental, Irmãos Coen, Deleuze

Resumo

Analisa-se Fargo, filme de Joel e Ehan Coen, na expectativa de interpretá-lo a partir do conceito de Deleuze de imagem-mental. A despeito de seu formato aparentemente convencional de comédia de crime, a obra é aqui entendida como exemplo de um trabalho localizado na fronteira do cinema clássico, sem nunca romper com seus limites. Compreende-se o filme como indício de um deslocamento na imagem-ação, recorrendo menos ao synsigno/binômio, recurso intrínseco à segundidade. Em Fargo, torna-se dispensável a contraposição entre os eventos e os atos que os guiariam de uma situação a outra. Ao se subordinar os gestos a uma ideia, faz-se com que tal filme opere segundo uma terceiridade, introduzindo pensamento na imagem e conferindo centralidade a um conceito que se define pelo erro, do qual a obra se torna sua ilustração. Fargo explora essa mecânica, em gestos fadados a conduzirem à destruição de tudo que compõe a trama.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Martins Ladeira, Universidade Federal do Paraná, UFPR

Doutor em sociologia (Iuperj). Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (Unisinos).

Downloads

Publicado

2021-11-09

Como Citar

Martins Ladeira, J. “Uma Paisagem Abstrata: Fargo, O Erro E a Imagem-Mental”. Intexto, nº 52, novembro de 2021, p. 99882, doi:10.19132/1807-8583202152.99882.

Edição

Seção

Artigos