Ação como base para uma estética da subjetividade lúdica

Autores

  • Daniel Vella University of Malta

DOI:

https://doi.org/10.19132/1807-8583201946.82-98

Palavras-chave:

Ação. Estética. Subjetividade Lúdica. Thief, The Dark Project.

Resumo

A relevância de reconhecer o senso de agência como sendo fundamental para a experiência da jogadora ao se engajar com o mundo do jogo já foi apresentada com frequência. Neste artigo, eu gostaria de examinar a ideia de que a ação constitui o eu próprio da jogadora, isto é, o senso de quem ela é em relação ao mundo do jogo. Para este fim, a observação concentra-se em jogos nos quais a jogadora se incorpora ao mundo do jogo na forma de uma única figura jogável, estabelecendo uma posição-subjetiva lúdica incorporada na qual ela aciona a subjetividade lúdica. O primeiro passo para fundamentar a análise dessa atualização da subjetividade lúdica foca na conceituação da relação entre ação e sujeito. A identificação de um esquema conceitual para atacar esta questão pavimentou o caminho para abordagens da ação por ambas as tradições da filosofia, analítica e continental. Ao seguir esse direcionamento, o artigo argumenta que a estrutura experimental do gameplay de jogos digitais se organiza em torno da interação entre a perspectiva interna do mundo do jogo – aquela da posição-subjetiva lúdica – e uma perspectiva externa, distanciada, permitindo que a atualização da subjetividade lúdica da jogadora torne-se visível e estruturando uma estética da subjetividade lúdica que é inseparável – e, de fato, consequente à tomada de ações que a jogadora exerce no mundo do jogo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Vella, University of Malta

Professor do Institute of Digital Games

Downloads

Publicado

2019-07-24

Como Citar

Vella, D. “Ação Como Base Para Uma estética Da Subjetividade Lúdica”. Intexto, nº 46, julho de 2019, p. 82-98, doi:10.19132/1807-8583201946.82-98.