Representação e Virtualidade em Videogames

Autores

  • Rune Klevjer University of Bergen

DOI:

https://doi.org/10.19132/1807-8583201946.36-49

Palavras-chave:

Videogame. Estudos de Jogos. Representação. Ambiente Virtual. Tempo-Real.

Resumo

O artigo discute a natureza dos ambientes gráficos participativos em tempo real, que correspondem à configuração que viabiliza uma ampla variedade de gêneros de games de ação.  Ao adotar uma definição positiva de virtualidade, argumento que a noção de virtual dá conta do status ontológico desses ambientes. Inicio o argumento apresentando como a oposição entre ação e representação leva o conceito de virtualidade a um beco sem saída para, a seguir, explorar outras abordagens possíveis. Essa exploração culmina na conclusão de que, diferentemente dos modelos abstratos e concretos do jogar mimético não-computadorizado, a simulação da realidade física nos games é capaz de constituir seu próprio e irredutível terreno de percepção e ação. Quando avaliados desde um ponto de vista objetivo e externo, os modelos espaço-visuais gráficos dos jogos de computador são modelos de segunda-ordem. Entretanto, em uma perspectiva fenomenológica, o sujeito é capaz de, de fato verdade obrigado a se engajar com eles como se fossem modelos de primeira-ordem, como se fossem objetos e ambientes concretos, não informacionais. Do ponto de vista do participante, a participação em simulações gráficas em tempo real não apenas simula, mas cria, uma ontologia separada.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rune Klevjer, University of Bergen

Ph.D., Associate Professor; Department of Information Science and Media Studies

Downloads

Publicado

2019-07-24

Como Citar

Klevjer, R. “Representação E Virtualidade Em Videogames”. Intexto, nº 46, julho de 2019, p. 36-49, doi:10.19132/1807-8583201946.36-49.