Censores em transe: análise do processo de censura do filme Terra em transe

Autores

  • Talita Souza Magnolo Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Ramsés Albertoni Barbosa Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Christina Ferraz Musse Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.19132/1807-8583202050.90-110

Palavras-chave:

Cinema. Censura. Ditadura civil-militar. Arquivo. Liberdade.

Resumo

O artigo investiga o desempenho da Censura Federal, no Brasil, desde a época da Colônia até a década de 1960, durante a vigência da ditadura civil-militar de 1964, especificamente com relação à proibição e liberação do filme Terra em transe (1967), de Glauber Rocha. São analisados os documentos que a Censura produziu, a partir dos pareceres dos censores, para atuar como guardiã da ditadura, da Igreja Católica, dos poderes constituídos e da moral vigente. Durante essa época, a atuação da Censura se estendeu ao controle político, preocupando-se, igualmente, com a manutenção da ordem política e da segurança nacional, sistematizando o trabalho da repressão. O acesso aos acontecimentos em questão se deu a partir dos arquivos da própria Censura; não obstante, se os arquivos são instituições de memória cultural, também são lugares de memória investidos de uma aura simbólica que ultrapassa sua mera aparência material e sua funcionalidade, cujos documentos refletem as atividades que lhes deram origem. Portanto, é preciso compreender e analisar as contradições, o velamento e o desvelamento desses arquivos, pois foram produzidos na vigência de regimes de exceção, caracterizados pela hipertrofia documental, fraudando as práticas funcionais do Estado, porquanto suas práticas de vigilância e de controle agenciam um minucioso trabalho de documentação. Após a análise dos documentos da Censura foi possível concluir que o trabalho dos censores era atuar como guardiões da ditadura civil-militar de 1964, da Igreja Católica, dos poderes constituídos e da moral vigente. Entretanto, tal contexto repressivo e autoritário abriu perspectivas para os novos pensadores e idealizadores da liberdade de expressão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Talita Souza Magnolo, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutoranda em Comunicação na UFJF. Membro do Grupo de Pesquisa (CNPQ) Comunicação, Cidade e Memória. Mestre em Comunicação pela UFJF.

Ramsés Albertoni Barbosa, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professor - Artista

Assistente Editorial da Revista Lumina

Mestre em Poética (UFRJ)

Mestrando em Comunicação (PPGCOM -UFJF)

Bacharelando em Artes e Design (IAD-UFJF)

Integrante do Grupo de Pesquisa COMCIME

Christina Ferraz Musse, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professora da UFJF no curso de Comunicação na graduação, mestrado e doutorado. Vice-coordenadora do PPGCOM/UFJF
Líder do grupo de pesquisa Comunicação, Cidade e Memória - COMCIME.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Como Citar

Magnolo, T. S., R. A. Barbosa, e C. F. Musse. “Censores Em Transe: Análise Do Processo De Censura Do Filme Terra Em Transe”. Intexto, nº 50, agosto de 2020, p. 90-110, doi:10.19132/1807-8583202050.90-110.

Edição

Seção

Artigos