A Profanação dos Estandartes do Frevo: Os Desafios da Musealização de um Patrimônio Imaterial

Autores

  • Leonardo Leal Esteves Departamento de Antropologia e Museologia da Universidade Federal de Pernambuco - DAM-UFPE; Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Sergipe - PPGA-UFS. https://orcid.org/0000-0003-3728-5575

DOI:

https://doi.org/10.22456/1984-1191.119626

Palavras-chave:

Museus, Patrimônio, Frevo, Estandartes, Sagrado

Resumo

Neste artigo discuto sobre os desafios em torno da musealização de bens registrados como patrimônio imaterial no Brasil, a partir da experiência do frevo, no Recife - PE.  De modo particular, discuto sobre o mal-estar gerado pela forma que os estandartes - considerados objetos sagrados para algumas agremiações carnavalescas – foram exibidos em um museu dedicado ao frevo, gerando permanentes questionamentos, tensionamentos, disputas, e exigindo novos olhares e negociações. Com isso, chamo atenção para as dificuldades inerentes à construção de narrativas museológicas em torno de bens culturais repletos de sentidos para o “outro”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Leal Esteves, Departamento de Antropologia e Museologia da Universidade Federal de Pernambuco - DAM-UFPE; Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Sergipe - PPGA-UFS.

Doutor pelo Programa de pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Pernambuco - PPGA-UFPE; Professor Substituto do Departamento de Antropologia e Museologia da Universidade Federal de Pernambuco - DAM-UFPE e Professor Colaborador do Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Sergipe - PPGA-UFS.

Referências

ARAÚJO, Rita de Cássia Festas. máscaras do tempo: entrudo, mascarada e frevo no carnaval do Recife. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1996.

CARVALHO, Ernesto Ignácio. Diálogos de Negros, monólogo de brancos: Transformações e apropriações musicais no maracatu de baque virado. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.

CARVALHO, José Jorge. Metamorfoses das tradições performáticas afro-brasileiras: de patrimônio cultural à indústria de entretenimento. TORRES, Maria Helena; TELLES, Lucia Silva (Ed.) Celebrações e saberes da cultura popular: pesquisa, inventário, crítica, perspectivas. Rio de Janeiro: Funarte, Iphan, CNFCP (Encontro e estudos; 5), 2004.

____. “Espetacularização” e “canibalização” das culturas populares na América Latina. Revista ANTHROPOLÓGICAS, ano 14, vol.21 (1), p. 39-76, 2010.

CHAGAS, Mário. Há uma gota de sangue em cada museu. A ótica museológica de Mário de Andrade. 2ed. Chapecó: Argos, 2015.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1998.

CORSINO, Célia Maria. Apresentação. In. IPHAN. Inventário Nacional de Referências Culturais: Manual de Aplicação. – Brasília: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional; Departamento do Patrimônio Imaterial, 2000.

DANTAS SILVA, Leonardo. O carnaval do Recife. Recife: Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 2000.

ESTEVES, Leonardo Leal. “Viradas” e “Marcações”: a participação de pessoas de classe média nos grupos de maracatu de baque virado do Recife – PE. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.

GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis: Editora Vozes, 1999.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Os museus e a representação social. In. Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios. Rio de Janeiro, 2007. p. 81 – 106.

IPHAN. Inventário Nacional de Referências Culturais: Manual de Aplicação. Brasília: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 2000.

____. Os Sambas, as Rodas, os Bumbas, os Meus e os Bois: Princípios, ações e resultados da política de salvaguarda do patrimônio cultural imaterial no Brasil (2003 – 2010). 2. ed. Brasília: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional; Departamento do Patrimônio Imaterial, 2010.

____. Encontro do Plano Integrado de Salvaguarda do Frevo,1, 2011. Recife: Prefeitura do Recife; IPHAN, 2011.

____. Frevo: Patrimônio Imaterial do Brasil: dossiê de candidatura. Recife: Fundação de Cultura do Recife, 2006.

____. Frevo. Brasília, DF: Iphan, 2016.

JESUS, Priscila Maria de. Uma reflexão sobre o processo de musealização: o patrimônio imaterial nos espaços museais. Cadernos de Sociomuseologia - 4-2014 (vol 48), p. 95 – 110.

JULIÃO, Letícia. Apontamentos sobre a História do Museu. In. CADERNO de Diretrizes Museológicas I. 2ed. Brasília: Ministério da Cultura/Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional/Departamento de Museus e Centros Culturais, Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Cultura/Superintendência de Museus, 2006, p. 17-31.

LÉLIS, Carmen. Frevo: Patrimônio Imaterial do Brasil: síntese do dossiê de candidatura. Recife: Fundação de Cultura do Recife, 2011.

LIMA, Ivaldo Marciano França. Maracatus-nação: ressignificando velhas histórias. Recife: Bagaço, 2005.

LONDRES, Cecília. Referêcias Culturais: Base Para Novas Políticas de Patrimônio. In. IPHAN. Inventário nacional de referências culturais: manual de aplicação. – Brasília: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 2000.

LODY, Raul. O Negro no museu brasileiro: construindo identidades. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

MARCUS, George E.; FISHER, Michel M. Anthropology as cultural critique: an experimental moment in the Human Sciences. Chicago & London: The University of Chicago Press, 1986.

MENDONÇA, Elizabete de Castro. Processos de patrimonialização e musealização no âmbito do Programa Nacional de Patrimônio Imaterial: Desafios e potencialidades para a salvaguarda de bens registrados (Brasil). Ensaios e Práticas em Museologia. Porto, Universidade do Porto, Faculdade de Letras, DCTP, vol. 6, p. 50-64, 2017.

OLIVEIRA, Valdemar de. Frevo, capoeira e passo. 2. Ed. Recife: Companhia Editora de Pernambuco, 1985.

OLIVEIRA, Maria Goretti Rocha de. Danças Populares como espetáculo público no Recife de 1970 a 1988. Recife: O Autor, 1993.

RABELLO, Evandro. Memórias da Folia: o carnaval do Recife pelos olhos da imprensa: (1822-1925). Recife: Funcultura, 2004.

SANDRONI, Carlos. Feitiço Decente: Transformações do samba no Rio de Janeiro (1917 – 1933) 2ª. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

SARMENTO, Luiz Eduardo. Patrimonialização das Culturas Populares: visões, reinterpretações e transformações no contexto do frevo pernambucano. 2010, Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.

STRATHERN, Marilyn. O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

TEIXEIRA, Karina Alves. O Patrimônio Imaterial sob a ótica dos museus: novas aproximações perspectivas e rupturas. Dissertação (Mestrado) Pós-Graduação em Museologia Interumanidades em Museologia do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2014.

TELES, José. O Frevo: rumo à modernidade. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 2008.

VICENTE, Ana Valéria Ramos. Entre a ponta de pé e o calcanhar: reflexões sobre como o frevo encena o povo, a nação e a dança no Recife. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2009.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2022-04-28

Como Citar

ESTEVES, L. L. A Profanação dos Estandartes do Frevo: Os Desafios da Musealização de um Patrimônio Imaterial. ILUMINURAS, Porto Alegre, v. 23, n. 60, 2022. DOI: 10.22456/1984-1191.119626. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/119626. Acesso em: 26 nov. 2022.