Ecos do Passado: O Sino e o Sineiro como Símbolos da História do Mundo e como Patrimônios Culturais Brasileiros

Autores

  • Urbano Lemos Jr Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação na Universidade Anhembi Morumbi. Bolsista Prosup/Capes. https://orcid.org/0000-0002-7197-5580
  • Vicente Gosciola Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi.

DOI:

https://doi.org/10.22456/1984-1191.117686

Palavras-chave:

Patrimônio Cultural, Linguagem dos Sinos, Ofício de Sineiro, Memória Coletiva

Resumo

O estudo parte do uso dos sinos na China no ano 3000 a.C. e mostra como eles foram sendo incorporados à civilização europeia ainda na Idade Média. A partir do livro A História do Mundo em 100 Objetos, de Neil MacGregor, diretor do British Museum, o artigo objetiva mostrar a presença dos sinos e dos sineiros em significativos momentos da história. Em solo brasileiro, a pesquisa retrata a utilização do sino a partir da colonização do país, além de debater as influências culturais na execução dos sons dos sinos ao longo do tempo. O artigo se ampara nos historiadores Le Goff (2016) e Reis (2006), além de recorrer ao sociólogo Halbwachs (1990) para tratar sobre memória coletiva. Ao final, conclui-se que a representatividade dos sinos estão presentes em diversos momentos históricos. Na atualidade, eles se fazem presente pela importância cultural e relevância em manter essa tradição de forma coletiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Urbano Lemos Jr, Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação na Universidade Anhembi Morumbi. Bolsista Prosup/Capes.

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Audiovisual da Universidade Anhembi Morumbi, mestre em Educação, pós-graduado em Teorias da Comunicação e graduado em Jornalismo.

Vicente Gosciola, Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi.

Pós-doutor pela Universidade do Algarve-CIAC, Portugal. Doutor em Comunicação pela PUC-SP. Mestre em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

Referências

AMARAL, Sharyse Piroupo do Amaral. Escravidão, liberdade e resistência em Sergipe: Cotinguiba, 1860-1888. Tese de Doutorado em História. Universidade Federal da Bahia, 2007.

ANDRADE, Mario de. Dicionário musical brasileiro. Belo Horizonte: Itatiaia; Brasília: MinC; São Paulo: Edusp, 1989.

AZEVEDO, Amailton Magno. O canto dos escravos: heranças centro-africanas na música contemporânea do Brasil. Revista Opsis, v. 16, n. 1, p. 238-251, 2016.

BARBOSA, Yêda. Dossiê 12: Roda de Capoeira e Ofício dos Mestres de Capoeira. Iphan, Brasília, 2014.

BARBOSA, Yêda. Dossiê 16: O Toque dos Sinos e o Ofício de Sineiro em Minas Gerais: tendo como referência as cidades de São João del-Rei, Ouro Preto, Mariana, Catas Altas, Congonhas do Campo, Diamantina, Sabará, Serro e Tiradentes. Iphan, Brasília, 2016.

BARROS, José Flávio Pessoa de. O banquete do rei... Olubajé: uma introdução à música afro-brasileira. Rio de Janeiro: Ao livro Técnico, 2000.

DEBRET, Jean Baptiste. Viagem pitoresca e histórica ao Brasil. São Paulo: Martins, tomo 1, vol.1 e 2, ix, 1940.

FREITAS, Thiago Corrêa de. et al. Sinos: Física e música fundidas em bronze. Revista Brasileira de Ensino de Física a, v. 37, n. 2, p. 1-13, 2015.

GOMES, Flávio. O cotidiano de um escravo. Folha de S. Paulo, Mais! 24 de ago. 2003. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs2408200306.htm>. Acesso em: 30 de abr. 2021.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Editora Vértice, 1990.

LE GOFF, Jacques. A civilização do ocidente medieval. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2016.

MACGREGOR, Neil. A História do Mundo em 100 objetos. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca, 2013.

MACHADO, Jurema. Apresentação. In: BARBOSA, Yêda. Dossiê 16: O Toque dos Sinos e o Ofício de Sineiro em Minas Gerais: tendo como referência as cidades de São João del-Rei, Ouro Preto, Mariana, Catas Altas, Congonhas do Campo, Diamantina, Sabará, Serro e Tiradentes. Brasília: Iphan, 2016.

MEZZOMO, Leocádia; ZAMBIASI, Teresinha; ZAMBIASI, Mário José. São Carlos Borromeo. Porto Alegre: Centro de Estudos Migratórios Cristo Rei (CEMCREI), 2009.

PAIVA, José Maria de. Catequese dos índios e imposição cultural – Brasil, século XVI. Revista Comunicações, ano 9, n. 2, p. 17-36, 2002.

PEREIRA, Joyce Kimarce do Carmo; DEBORTOLI, José Alfredo Oliveira. O Toque dos Sinos de São João Del-Rei: uma análise das manifestações culturais. Revista Licere, v. 23, n. 2, p. 440-479, 2020.

ROCHA, Ana Luiza Carvalho da; ECKERT, Cornelia. Cidade narrada, tempo vivido: estudos de etnografias da duração. Revista Rua, n. 16, v. 01, p. 01-24, 2010.

REIS, Liana Maria. Africanos no Brasil: saberes trazidos e ressignificações culturais. Cadernos de História, v. 8, n. 10, p. 11-23, 2006.

SANT’ANNA, Márcia Genésia. Certidão de Registro número sete: Ofício de Sineiro, Serviço Público Federal, Ministério da Cultura, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 03 de dez. 2009.

SANT’ANNA, Márcia Genésia. Certidão de Registro número oito: Toque dos Sinos de Minas Gerais, Serviço Público Federal, Ministério da Cultura, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 03 de dez. 2009.

SANTOS, Luan. Das missas às revoltas: conheça um pouco da história dos sinos. Jornal Correio 24 horas, Salvador, 11 de maio de 2019. Disponível em: <https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/das-missas-as-revoltas-conheca-um-pouco-da-historia-dos-sinos/>. Acesso em: 02 de jun. 2021.

SOUZA, Vanessa Taveira. Os Passos da Paixão: tipologia dos “Passos de Rua” inseridos no cenário urbano nas cidades mineiras de São João del-Rei e Tiradentes. Revista Imagem Brasileira, 09, p. 164-169, 2018.

VENDRAMINI, Maria do Carmo. Sobre os sinos nas igrejas brasileiras. Musicae Sacrae Brasiliensis. Roma: Urbaniana University Press, 1981.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2022-04-28

Como Citar

LEMOS JR, U.; GOSCIOLA, V. Ecos do Passado: O Sino e o Sineiro como Símbolos da História do Mundo e como Patrimônios Culturais Brasileiros. ILUMINURAS, Porto Alegre, v. 23, n. 60, 2022. DOI: 10.22456/1984-1191.117686. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/117686. Acesso em: 6 out. 2022.