A Prevalência de Estresse em uma Amostra de Estudantes do Curso de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Autores

  • Ana Margareth Bassols Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Anne Orgler Sordi Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Cláudio Laks Eizirik Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Gabriela Marques Seeger Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Graziela Smaniotto Rodrigues Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Mateus Reche Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

acadêmico, medicina, estresse, ansiedade

Resumo

Introdução: O ingresso na Faculdade de Medicina representa uma transição a um novo estilo de vida e maior grau de exigência curricular. O estresse pode influenciar o desempenho acadêmico e as habilidades para tomar decisões e estabelecer uma adequada relação médico-paciente. O presente estudo avaliou a prevalência de estresse e fatores associados em uma amostra de estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) através do Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp (ISLL). Métodos: Estudo transversal não controlado, amostra aleatória (168 alunos). Instrumentos: ISLL, questionário com dados demográficos, uso de álcool e outras substâncias e sintomas de ansiedade. Resultados: Encontrou-se uma prevalência de estresse de 51,3% (IC95% 40,2-62,2), com maior prevalência de sintomas físicos do que psíquicos. A partir do sexto semestre os alunos apresentaram maior prevalência de estresse (55,3%), sem diferença estatisticamente significativa entre os semestres. O uso regular de álcool (43,6%) e estimulantes foi semelhante entre os alunos com e sem estresse (P = 0,63). Entre os alunos com estresse, 40% afirmaram já ter experimentado sintomas de pânico, enquanto apenas 5,3% dos sem estresse referiram esses sintomas (P < 0,001). Entre os alunos com estresse, 90% relataram presença de sintomas de ansiedade nos últimos 6 meses, enquanto apenas 39,5% dos sem estresse o referiram (P < 0,001). Conclusão: Nossos achados apontam para a necessidade de investigar as causas da alta prevalência de estresse encontrada, a fim de propor medidas preventivas e/ou oferecer apoio psicológico para os estudantes, proporcionando uma melhor formação médica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Margareth Bassols, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Médica, Psiquiatra, Professora Adjunta do Serviço de Psiquiatria da Infância e Adolescência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) e Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal da Faculdade de Medicina da UFRGS, Porto Alegre, RS.

Anne Orgler Sordi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Médica graduada pela UFRGS e Cursista do Curso de Especialização de Psiquiatria do Celg.

Cláudio Laks Eizirik, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Medico, Psiquiatra, Doutor em Medicina, Professor Adjunto Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal da Faculdade de Medicina da UFRGS, Professor da Residência Médica em Psiquiatria e Curso de Especialização em Psiquiatria da UFRGS, Professor Orientador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Psiquiatria, Membro Efetivo e Analista Didata da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre, Professor do Instituto de Psicanálise de Porto Alegre, RS, Presidente Eleito da Associação Psicanalítica Internacional.

Gabriela Marques Seeger, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Aluno do Curso de graduação em Medicina da UFRGS, Porto Alegre, RS.

Graziela Smaniotto Rodrigues, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Aluno do Curso de graduação em Medicina da UFRGS, Porto Alegre, RS.

Mateus Reche, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Aluno do Curso de graduação em Medicina da UFRGS, Porto Alegre, RS.

Downloads

Publicado

2008-11-20

Como Citar

1.
Bassols AM, Sordi AO, Eizirik CL, Seeger GM, Rodrigues GS, Reche M. A Prevalência de Estresse em uma Amostra de Estudantes do Curso de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Clin Biomed Res [Internet]. 20º de novembro de 2008 [citado 23º de março de 2023];28(3). Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/hcpa/article/view/3063

Edição

Seção

Artigos Originais