Prevalência de transtornos mentais menores e subdiagnóstico de sintomas depressivos na atenção primária

Autores

  • Giovana Dantas
  • Cristiane Koplin FAMED-UFRGS
  • Mayara Mayer Faculdade de Merdicina - PUCRS
  • Francisco Arsego de Oliveira Dpto de Medicina Social da Faculdade de Medicina da UFRGS, chefe do Serviço de Atenção Primária à Saúde do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
  • Maria Paz Loayza Hidalgo Depto de Psiquiatria e Medicina Legal da Faculdade de Medicina da UFRGS. Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Cronobiologia Humana HCPA-UFRGS

Palavras-chave:

Transtornos psiquiátricos menores, atenção primária à saúde, saúde mental, depressão

Resumo

Introdução: Transtornos mentais representam 13% da carga de doença no mundo. Apesar destas constatações, a lacuna entre a oferta e a procura de cuidados de saúde mental é grande. Um dos fatores principais que contribuem para esta situação é o subdiagnóstico de transtornos mentais.

Objetivos: Esse estudo descreve a prevalência de sintomas psiquiátricos menores e depressivos na atenção primária.

Métodos: 201 mulheres foram recrutadas. Utilizou-se SRQ-20 > 8 e duas perguntas do DSM-IV-TR para diagnóstico de depressão.

Resultados: 53,7% apresentaram SRQ> 8. Pacientes que responderam "sim" às perguntas 1 e 2 apresentaram maior escore no SRQ-20 (10,7+0,38; 11,01+0,41 respectivamente). 24,7% responderam "sim" à uma questão; 43,7% responderam "SIM" à ambas. Entre as não-usuárias de psicofármacos, 40,5% têm SRQ> 8. Entre aquelas com SRQ-20 > 8, 70,8% não usavam psicofármacos.

Conclusão:Estes resultados podem estar relacionados à falta de mecanismos adequados para o manejo da depressão na atenção primária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovana Dantas

O Laboratório de Cronobiologia do HCPA é coordenado pela Dra Maria Paz Loayza Hidalgo, professora do Depto de Psiquiatria e Medicina Legal da FAMED-UFRGS. O grupo de pesquisa vem desenvolvendo trabalhos que abrangem tanto pesquisa experimental quanto pesquisa clínica em que aspectos cronobiológico do processo saúde-doença são abordados. O nosso Laboratório já demonstrou que existe uma clara associação entre cronotipo, sonolência diurna, sintomas depressivos e memória, como pode se visto pelas publicações em PubMed. Atualmente estamos desenvolvendo pesquisa experimental em Cronobiogia em que um modelo experimental de dessincronização está sendo proposto como modelo depressão de outras patologias afetadas por rupturas no ritmo circadiano.

Downloads

Publicado

2012-01-27

Como Citar

1.
Dantas G, Koplin C, Mayer M, de Oliveira FA, Hidalgo MPL. Prevalência de transtornos mentais menores e subdiagnóstico de sintomas depressivos na atenção primária. Clin Biomed Res [Internet]. 27º de janeiro de 2012 [citado 30º de setembro de 2022];31(4). Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/hcpa/article/view/20281

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)