Vírus Respiratórios e Ventilação Mecânica em Lactentes Brasileiros

Autores

  • Adriana Gut Lopes Riccetto Universidade Estadual De Campinas - Unicamp
  • Elio Belfiore UNICAMP
  • Melissa Karina Pupim UNICAMP
  • Luciana Helena Antoniassi da Silva UNICAMP
  • Fernando Rosado Spilki FEEVALE
  • Clarice Weis Arns
  • Marcos Tadeu Nolasco da Silva UNICAMP
  • Emílio Carlos Elias Baracat UNICAMP

Palavras-chave:

Genótipo, Lactente, Vírus Respiratórios, Ventilação.

Resumo

Introdução: Entre lactentes, Vírus Sincicial Respiratório e Metapneumovírus são agentes importantes de infecção respiratória baixa com necessidade de ventilação mecânica. Índice de Ventilação e Relação PaO2/FiO2 podem ser fatores prognósticos do tempo de ventilação mecânica nestes casos.

Métodos: Dentre 284 lactentes (zero a 12 meses), hospitalizados por infecção respiratória aguda baixa em 2004, 2007 e 2008, foram avaliados 20 que necessitaram de ventilação mecânica. Análise da secreção nasofaríngea para vírus por Polimerase Chain Reaction foi realizada; o Índice de Ventilação Mecânica e a Relação PaO2/FiO2 foram obtidos nos primeiros cinco dias de ventilação mecânica; tempo prolongado de ventilação pulmonar mecânica foi considerado sete dias ou mais.  

Resultados: 10/20 lactentes foram identificados com Vírus Sincial Respiratório; 0/20 foram positivos para Metapneumovírus. A análise estatística comparativa não mostrou diferenças entre Índice de Ventilação Mecânica e Relação PaO2/FiO2 e tempo de ventilação pulmonar prolongada entre os grupos Vírus Sincicial Respiratório positivo e negativo. A identificação do genótipo foi realizada em 6 de 10 Vírus Sincicial Respiratórios encontrados; o pequeno número de casos não permitiu relacionar a apresentação clínica com as características virais (subgrupos e genótipos).

Conclusão: Índice de Ventilação Mecânica e Relação PaO2/FiO2 não foram úteis como fatores prognósticos de tempo de ventilação mecânica prolongada para este grupo. De maneira ideal, estudo com maior número de lactentes, teste para vários vírus, e testes para a imunidade inata e adaptativa, poderia mostrar o impacto destes fatores na evolução dos lactentes em ventilação pulmonar mecânica. Infelizmente, recursos para pesquisas como esta não estão facilmente disponíveis.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Gut Lopes Riccetto, Universidade Estadual De Campinas - Unicamp

Médica do Hospital de Clínicas  e Departamento de Pediatria Faculdade de Ciências Médicas Universidade Estadual de Campinas - Unicamp

Atuação: Terapia Intensiva Pediátrica; Imunologia Pediátrica; Pediatria Geral 

Downloads

Publicado

2011-04-14

Como Citar

1.
Riccetto AGL, Belfiore E, Pupim MK, Silva LHA da, Spilki FR, Arns CW, Silva MTN da, Baracat ECE. Vírus Respiratórios e Ventilação Mecânica em Lactentes Brasileiros. Clin Biomed Res [Internet]. 14º de abril de 2011 [citado 1º de julho de 2022];31(1). Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/hcpa/article/view/17695

Edição

Seção

Artigos Originais