Fração Atribuível Populacional

Autores

  • Suzi Alves Camey Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS
  • Marilyn Agranonik Hospital de Clínicas de Porto Alegre, RS
  • Jáderson Radaelli Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Vania Naomi Hirakata Hospital de Clínicas de Porto Alegre, RS

Palavras-chave:

fração atribuível populacional, fração atribuível populacional ajustada, FAP

Resumo

A fração atribuível populacional (FAP) é uma medida capaz de mensurar o efeito da eliminação do fator de risco para determinado desfecho, ou seja, mede o quanto a ocorrência do desfecho pode ser diminuída se o fator de risco fosse eliminado. A FAP, portanto, facilita a formulação de diversas estratégias preventivas na área da saúde pública. O foco deste artigo é a divulgação da fração atribuível populacional para um ou dois fatores de exposição. Quando calculada para dois ou mais fatores existem diversas definições da FAP e neste trabalho abordamos: a fração atribuível populacional agregada (FAPA), a fração atribuível populacional por componentes (FAPC), a fração atribuível populacional ajustada por estratificação (FAPAE), a fração atribuível populacional ajustada sequencial (FAPAS) e a fração atribuível populacional ajustada média (FAPAM). Através das definições podemos verificar que a FAPAM além de proporcionar medidas mais realistas que a FAPAE, cujo efeito do ajuste da FAP de um fator sobrepõe a do outro fator, também é vista como um aperfeiçoamento à FAPAS por não ser influenciada pelo ordenamento nas eliminações dos fatores de exposição. As diversas fórmulas de cálculo da FAP descritas neste trabalho encontram-se em uma planilha do Excel disponibilizada on-line. Para ilustrar a aplicação da FAP apresentamos um exemplo com dados reais com o objetivo de mensurar a redução no baixo peso ao nascer (BPN) se “eliminássemos” a baixa escolaridade e alta idade materna, ou seja, iremos mensurar a redução no BPN se todas as mães tivessem mais de 8 anos de escolaridade e filhos antes dos 35 anos. Os dados são referentes a 2.425 crianças nascidas no Hospital de Clínicas de Porto Alegre em 2007, obtidos através do SINASC (Sistema de Informação sobre o Nascido Vivo).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suzi Alves Camey, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS

Marilyn Agranonik, Hospital de Clínicas de Porto Alegre, RS

Estatística

Vania Naomi Hirakata, Hospital de Clínicas de Porto Alegre, RS

Estatística

Downloads

Publicado

2010-04-20

Como Citar

1.
Camey SA, Agranonik M, Radaelli J, Hirakata VN. Fração Atribuível Populacional. Clin Biomed Res [Internet]. 20º de abril de 2010 [citado 4º de dezembro de 2022];30(1). Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/hcpa/article/view/12920

Edição

Seção

Seção de Bioestatística

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>