Arte/Educação e feminismo no imaginário pernambucano como resistência política e formação identitária das mulheres

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.94281

Palavras-chave:

Feminismo. Arte/Educação. Imaginário. Artes Visuais. (de)Colonialismo.

Resumo

Na Graduação em Artes Visuais da UFPE, com o objetivo de formação de professoras e professores, nós, professoras do curso, ministramos disciplinas para que esses/essas estudantes vão aos espaços educativos sendo esses formais: as escolas; ou não-formais: museus, galerias, ONGs, hospitais, entre outros, com a consciência de que somos um grupo cultural colonizado, especificamente em relação às artes visuais. E precisamos estudar, pesquisar e compreender um ensino/aprendizagem contemporâneo, democrático e inclusivo. Para isso, fundamentadas em teorias feministas, fazemos escolhas de trabalhos artísticos em que contemplem as mulheres, indígenas, pretas, pessoas com deficiências e de grupos LGBT. Discutir as teorias de autoras mulheres que trazem à luz os trabalhos artísticos dessas, que por muito tempo foram invisibilizadas por historiadores homens, também é outro ponto fundamental nessa perspectiva de Arte/Educação. Com a arte, discutimos questões como a misoginia, homofobia e preconceitos outros que excluem as pessoas da sociedade e da história da arte. Levando essa temática para a sala de aula, fomentamos um movimento circular, no qual as artistas e trabalhos de arte são estudados, levando as/os professores/as em formação a produzirem/pesquisarem arte; a partir dessa produção/pesquisa/reflexão em arte proporcionar à  a sociedade em seus estágios obrigatórios e não obrigatórios, em pesquisas de PIBIC, PIBITI, PIBID, o objetivo de transformar e buscar uma sociedade mais justa, democrática, inclusiva e decolonializada. Para exemplificar essa ciclicidade, trago três estudantes e pesquisadoras do PIBIC apresentando suas produções artísticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria das Vitórias Negreiros do Amaral, Universidade Federal de Pernambuco — UFPE, Recife/PE

Professora de Artes Visuais da Graduação e Pós-Graduação em Artes Visuais (PPGAV) da Universidade Federal de Pernambuco; atualmente é a coordenadora do PPGAV-UFPE; é Pós-doutora em Feminismo e Arte/Educação pela Universidad Complutense de Madrid; Doutora em Artes/Visuais-Arte/Educação pela USP; Mestra em Antropologia pela UFPE.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feministas. Tradução de Christina Baus. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

BARBOSA, Ana Mae. Arte no Brasil: várias minorias. Tradução de Cyana Leahy. In: FARRIS-DUFRENE, Phoebe (Eds.). Voices of color: art and society in the Americas. London: Humanities Press International Inc., 1997.

BOAS, Franz. El arte primitivo. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, México, 1947.

BLOG FÓRMULA GEO. Disponível em: <http://formulageo.blogspot.com.br/2012/07/mafalda -encima-e-embaixo-no-mapas>. Acesso em: 06 jun. 2014.

CAO, Márian López Férnandez. Educar o olhar, conspirar pelo poder: gênero e criação artística. In: BARBOSA, Ana Mae; AMARAL, Lilian. (Orgs.) Interterritorialidade: mídias, contextos e educação. São Paulo: Editora Senac/ São Paulo: Edições SESC SP, 2008.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia geral. Tradução de Hélder Godinho. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

LADO B / Edição nº 19 #8M: “O protagonismo feminino veio pra ficar”. Revista Fórum de 8/3/2019.

LARRALDE, Gabriela. Diversidad y género en la escuela. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Paidós, 2018.

MIGNOLO, Walter. La colonialidad: la cara oculta de la modernidad. Disponível em: http://www.macba.es/PDFs/walter_mignolo_modernologies_cas.pdf. Acesso em: 16 jun. 2018.

MIGNOLO, Walter. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del Signo. 2010.

RAGO, Margareth. Feminismo e subjetividade em tempos pós-modernos, 2004. Disponível em: http://www.historiacultural.mpbnet.com.br/feminismo/Feminismo_e_subjetividade.pdf. Acesso em: 16 jun. 2018.

ZACCARA, Madalena (Org.). De sinhá prendada à artista visual: os caminhos da mulher artista em Pernambuco. Recife: Ed. do Organizador, 2017.

Downloads

Publicado

2019-07-05

Como Citar

AMARAL, M. das V. N. do. Arte/Educação e feminismo no imaginário pernambucano como resistência política e formação identitária das mulheres. Revista GEARTE, [S. l.], v. 6, n. 2, 2019. DOI: 10.22456/2357-9854.94281. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/94281. Acesso em: 27 jan. 2023.

Edição

Seção

Ensino/Aprendizagem das Artes na América Latina: colonialismo e questões de gênero