Epistemologias da formação: o pensamento emergente na docência em artes visuais no eixo Norte-Sul

Autores

  • Isabela Nascimento Frade Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ, Rio de Janeiro/RJ http://orcid.org/0000-0001-5224-6633
  • Ana Maria Alvarenga Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro – SME/RJ, Rio de Janeiro/RJ
  • Camila Aranha Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO, Rio de Janeiro/RJ

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.75017

Palavras-chave:

Experiências de Pesquisa. Artes Visuais. Formação Docente.

Resumo

Este artigo é parte de uma investigação sobre formação docente em Artes Visuais no Brasil, revelando nuances de um estudo publicado em 2008, resultado de associação acadêmica por extremos entre regiões, em eixo Norte-Sul do país. Observando seu polo setentrional, destacamos seus aspectos emergentes inserindo-os em suas qualidades locais. Situamo-nos na Região Norte, na Amazônia, vasto território que se desdobra ao longo dos cursos dos rios e dos igarapés, cercado pela presença da floresta tropical, onde também se revelam outras paisagens como as do cerrado amazônico. Refletimos com o fim de mergulhar nas águas onde afluem subjetividades que elucidam não somente um modo de viver, mas de pensar a própria arte e a educação. Desenvolvemos esse trabalho a partir de um método cartográfico de pesquisa que pudesse apreender experiências fluidas em suas geografias líquidas. Na elaboração de questões reunindo o eixo N-S, colocamos em foco a processualidade, o “coração da cartografia”: não apenas mapas, gráficos, tabelas ou outros registros cartográficos regulares, mas a extensividade do pensamento esteve como o nosso objeto de atenção primordial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela Nascimento Frade, Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ, Rio de Janeiro/RJ

Licenciada em Artes pela PUCRio, mestre em Comunicação e Teoria da Cultura, doutora em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). PROCIENTISTA FAPERJ. Professora Associada do Instituto de Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), integra a equipe do Departamento de Ensino da Arte e Cultura Popular e do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais (PPGARTES/UERJ). Tem realizado trabalhos plásticos, desenvolvido pesquisas e orientado projetos relacionando arte, cultura, comunicação e educação, com foco sobre os seguintes temas: formação e gênero; esfera pública e mediação; poética relacional e ecologia, multilocalismo e trânsito cultural. É líder do grupo de pesquisa Observatório de Comunicação Estética - CNPQ e editora da revista acadêmica internacional Diálogos en Mercosur.

Ana Maria Alvarenga, Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro – SME/RJ, Rio de Janeiro/RJ

Possui Licenciatura em Educação Artística/ Artes Plásticas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro/ UFRJ, Especialização em Arte Educação pela Universidade Cândido Mendes/UCAM e Mestrado em Artes pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro/ UERJ. Professora regente de Artes Visuais da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, tendo exercido a direção da Unidade de Extensão Núcleo de Arte/ SME, no período de 2000 a 2010. Vice-líder do Grupo de Pesquisa Observatório de Comunicação Estética/ UERJ/ CNPq, desde 2012. 

Camila Aranha, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO, Rio de Janeiro/RJ

Doutoranda em Memória Social pela UNIRIO. Mestre em Arte e Cultura Contemporânea pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da UERJ. Bacharel e licenciada em Artes Visuais pela Universidade Federal do Pará. Faz parte dos grupos de pesquisa: Observatório de Comunicação Estética da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ/CNPq; Acervos Fotográficos - UnB/CNPq; LAMPE- Laboratório Ambiento-Corporais em Atravessamentos e Experimentações: Imaginação, Amor, Arte e Política na Amazônia - UFPA/CNPq. Desenvolve estudos relacionados a fotografia, memória, arte e política. Também dedica-se à produção de vídeo e fotografia sobre a construção de grandes projetos na Amazônia, em especial sobre hidrelétricas e resistência indígena.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó/SC: Argos, 2009.

CAMPOS, Ciro (Org.). Diversidade socioambiental de Roraima: subsídios para debater o futuro sustentável da região. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2011.

DELEUZE, Gilles. O que é um dispositivo. Tradução de Wanderson Flor do Nascimento: ¿Que és un dispositivo? In: DELEUZE, Gilles. Michel Foucault, filósofo. Barcelona: Gedisa, 1990. Disponível em <http://escolanomade.org/2016/02/24/deleuze-o-que-e-um-dispositivo/> Acessado em: Jul. 2017.

DUTRA, Ayrton Corrêa (Org.). Ensino das Artes Visuais. Santa Maria: Editora UFSM, 2008.

DUTRA, Ayrton Corrêa (Org.). Cartografias contemporâneas de arte-educação. Santa Maria: Editora UFSM, 2008a.

DUTRA, Ayrton Corrêa; MATTÈ, Simone Witt. Formação, o docente em Artes Visuais e sua relação com a Pesquisa e as Novas Tecnologias. Revista Entreideias, Salvador, n. 6, p. 47-63, 2002.

DUTRA, Ayrton Corrêa; OLIVEIRA, Vinícius Luge. Ensino de Artes Visuais na UFSM: de sua gênese à atualidade. Revista Digital do LAV, Santa Maria, v. 1, n. 1, p. 241-257, set. 2008.

FAUSTO, Carlos. Os índios antes do Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.

FRADE; Isabela; ALVARENGA, Ana. Geopolítica da Formação: desenhando as Paisagens Informacionais dos Processos de Formação na Docência em Arte no Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPAP, 24., 2015, Santa Maria/RS. Anais... Santa Maria, 2015. p. 2968-2980.

KASTRUP, Virgínia; BARROS, Regina Benevides. Movimentos-funções do dispositivo na prática da cartografia. In: KASTRUP, Virgínia; PASSOS, Eduardo; ESCÓSSIA, Liliana da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2014.

KASTRUP, Virgínia; PASSOS, Eduardo. Cartografar é traçar um plano comum. In: KASTRUP, Virgínia; PASSOS, Eduardo; TEDESCO, Silvia (Org.). Pistas do método da cartografia: a experiência da pesquisa e o plano comum. Porto Alegre: Sulina, 2014a (v. 2).

OLIVEIRA, Vinícius Luge. Programa Alfa e Beto: a submissão do "Local" no Ensino das Artes Visuais. In: CONGRESSO NACIONAL DA FEDERAÇÃO DE ARTE-EDUCADORES DO BRASIL; CONGRESSO INTERNACIONAL DA FEDERAÇÃO DOS ARTE-EDUCADORES, 24; 2., 2014, Ponta Grossa. Anais... Ponta Grossa: FAEB, 2014. p. 01-12.

PAES LOUREIRO, João de Jesus. Códigos do imaginário amazônico. In: Maneschy, Orlando Franco. Amazônia, lugar de experiência. Belém: Ed. UFPA, 2013.

PIZARRO, Ana. Amazônia: as vozes do rio: imaginário e modernização. Trad. Rômulo Monte Alto. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2014.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. 5 ed. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

Downloads

Publicado

2017-12-28

Como Citar

FRADE, I. N.; ALVARENGA, A. M.; ARANHA, C. Epistemologias da formação: o pensamento emergente na docência em artes visuais no eixo Norte-Sul. Revista GEARTE, [S. l.], v. 4, n. 3, 2017. DOI: 10.22456/2357-9854.75017. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/75017. Acesso em: 28 nov. 2022.