Fanzines e visualidade, exercícios de autonomia e criação

Autores

  • Ana Basaglia Universidade Anhembi-Morumbi — UAM, São Paulo/SP

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.75016

Palavras-chave:

Fanzine. Design gráfico. Educação. Alfabetismo visual. Autonomia.

Resumo

Fanzines, publicações autorais produzidas de maneira artesanal e com baixo custo, são tradicionalmente celebrados por sua independência, tanto no aspecto comercial quanto em relação à visualidade, pois permitem ao seu editor misturar suas preferências pessoais a algumas regras de design. O presente artigo pretende descrever o processo de produção de um fanzine dentro de um espaço escolar na cidade de São Paulo, após reflexões a respeito de alguns conceitos de design gráfico, alfabetismo e cultura visuais, autonomia – e apresentar algumas imagens produzidas pelos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Basaglia, Universidade Anhembi-Morumbi — UAM, São Paulo/SP

Possui graduação em Desenho Industrial pela Fundação Armando Álvares Penteado (1988), graduação em Comunicação Visual pela Fundação Armando Álvares Penteado (1989), especialização em Design Gráfico pela Fundação Armando Álvares Penteado (2011), mestrado em Design pela Universidade Anhembi Morumbi (2016), sob a orientação da professora Ana Mae Barbosa. A monografia da especialização foi exposta no Museu da Casa Brasileira em 2012, por ocasião do 26º Prêmio Design MCB. Atua em estúdio próprio de Design Gráfico, desenvolvendo projetos gráficos nas áreas correspondentes. Ganhou o 2º lugar do Prêmio Jabuti-2007 de Projeto Gráfico, com mais dois parceiros.

Referências

ALVES, Januária Cristina; RAMO, Regina Mara. O jornal infantil: criticar e produzir. Comunicação e educação. São Paulo, n. 2, p. 106-115, jan./abr. 1995. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/

comueduc/article/viewFile/36143/38863>. Acesso em: 10 jul. 2017.

AZEVEDO, Ricardo. Dezenove poemas desengonçados. São Paulo: Ática, 1999. 56p. Disponível em: <http://www.ricardoazevedo.com.br/livro/poema-do-livro-dezenove-poemas-desengoncados/>. Acesso em: 10 jul. 2017.

BARBOSA, Ana Mae (Org.). Inquietações e mudanças no ensino da arte. São Paulo: Cortez, 2008.

BARBOSA, Ana Mae. A cultura visual antes da cultura visual. Educação, Porto Alegre, v.34, n. 3, p. 293-301, set./dez. 2011.

CARDOSO, Rafael. Uma introdução à história do design. São Paulo: Blucher, 2010.

DONDIS, Donis A. Sintaxe da linguagem visual. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz & Terra, 2014.

GALVÃO, Demetrios Gomes. Ressonâncias no meio do caminho e/ou no caminho do meio: a poética infame dos fanzines. In: MUNIZ, Cellina Rodrigues (Org.). Fanzines: autoria, subjetividade e invenção de si. Fortaleza: Edições UFC, 2010.

HELLER, Steven. Irreverence you can almost touch. The New York Times, Nova York, 18 fev. 2011. Sunday Book Review: Visuals. Disponível em: <http://www.nytimes.com/2011/02/20/

books/review/Heller-t.html>. Acesso em: 10 jul. 2017.

LUPTON, Ellen; PHILLIPS, Jennifer Cole Phillips. Novos fundamentos do design. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

MAGALHÃES, Henrique. O que é fanzine. São Paulo: Editora Brasiliense, 1993.

NÓBREGA, Maria José; PRADO, Ricardo. Como eu ensino: leitura de imagens. In: SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo: Melhoramentos, 2012.

TRIGGS, Teal. Fanzines. United Kingdom: Thames & Hudson, 2010.

Downloads

Publicado

2017-12-28

Como Citar

BASAGLIA, A. Fanzines e visualidade, exercícios de autonomia e criação. Revista GEARTE, [S. l.], v. 4, n. 3, 2017. DOI: 10.22456/2357-9854.75016. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/75016. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Design e Cultura Visual no Ensino de Artes Visuais