Aprendizagem Colaborativa Online e Educação Artística

Autores

  • Vitor Silva Escola Básica Integrada de Lagoa – EBI LAGOA, Lagoa
  • Clara Coutinho Universidade do Minho — UMINHO, Braga

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.74289

Palavras-chave:

Do-It-Yourself. Edmodo. Aprendizagem Colaborativa Online. Metodologia Projetual.

Resumo

Este artigo apresenta um estudo de caso efetuado com alunos do ensino fundamental analisando as atividades colaborativas realizadas numa comunidade criada na plataforma digital Edmodo. A técnica de desenvolvimento da investigação posicionou-se no paradigma interpretativo e qualitativo recorrendo à análise de conteúdo das discussões e dos artefactos criados. Os resultados mostram o nível de colaboração do grupo e a influência de algumas ferramentas e métodos de trabalho, tornando evidente a necessidade de realização de outros estudos sobre comunidades análogas dedicadas à educação artística em faixas etárias precoces.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vitor Silva, Escola Básica Integrada de Lagoa – EBI LAGOA, Lagoa

Mestre em Gestão de Sistemas de E-Learning pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Licenciado no Curso de Ensino da Educação Visual e Tecnológica pela Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Professor do Ensino Básico.

Clara Coutinho, Universidade do Minho — UMINHO, Braga

Doutora em Ciências da Educação na especialidade de Tecnologia Educativa pela Universidade do Minho. Professora Auxiliar do Departamento de Estudos Curriculares e Tecnologia Educativa do Instituto de Educação da Universidade do Minho.

Referências

ACKERMANN, E. Cultures of creativity and modes of appropriation: From DIY (Do It Yourself) to BIIT (Be In It Together). Retirado de: <http://cache.lego.com/r/legofoundation/-/media/LEGO%20Foundation/Downloads/Cultures%20of%20Creativity/Edith%20K%20Ackermann.pdf>. 2013.

COUTINHO, C. P. Avaliação da qualidade da investigação qualitativa: algumas considerações teóricas e recomendações práticas. In Francislê Neri de Sousa et al. (Org.). Investigação Qualitativa: Inovação, Dilemas e Desafios, Volume 2, 1.ª edição, p. 101-121. Oliveira de Azeméis: Ludomedia. 2015.

COUTINHO, C. P. Metodologia de Investigação em Ciências Sociais e Humanas. Coimbra: Almedina. 2013.

DILLENBOURG, P. What do you mean by collaborative learning? In: P. Dillenbourg (Ed.) Collaborative-learning: Cognitive and Computational Approaches, pp. 1-19. Oxford: Elsevier. 1999.

GUBA, E. G., & LINCOLN, Y. S. Competing paradigms in qualitative research. In: N. K., Denzin, & Y. S., Lincoln (Eds.), Handbook of qualitative research, pp. 105-117. Thousand Oaks, CA: Sage. 1994.

HARASIM, L. M. Learning Theory and online Technologies. New York: Routledge. 2012.

ITO, M., Baumer, S., Bittanti, M., Boyd, D., Cody, R., Herr, B. & Tripp, L. Hanging out, messing around, geeking out: Living and learning with new media. Cambridge, England: MIT Press. 2009.

JENKINS H.; KNOBEL, C.; & LANKSHEAR, M. (Eds.). DIY media. Creating, sharing and learning with new technologies, p. 231-253. New York: Peter Lang. 2010.

KAFAI, Y. & PEPPLER, K. Youth, Technology, and DIY: Developing Participatory Competencies. in Creative Media Production. In: WORTHAM, S. (Ed.), Youth Cultures, Language, and Literacy - Review of Research in Education, pp. 89-119. London: Sage. 2011.

KAMENETZ, A. DIY U: Edupunks, Edupreneurs, and the Coming Transformation of Higher Education. White River Junction. VT: Chelsea Green Publishing. 2010.

KUZNETSOV, S., & PAULOS, E. Rise of the expert amateur: DIY projects, communities, and cultures. Retirado de: <http://portal.acm.org/citation.cfm?id=1868914.1868950&coll=DL&dl=GUIDE&

amp;CFID=10335082>. 2010.

LISBÔA, E. & COUTINHO, C. P. Colaboração Online: Como Avaliar? Revista Paidéi@. Unimes Virtual, Volume 4. Disponível em: <http://revistapaideia.unimesvirtual.com.br>. 2013.

MUNARI, B. Das coisas nascem coisas. São Paulo: Martins Fontes. 1981.

MURPHY, E. Recognising and promoting collaboration in an online asynchronous discussion. British Journal of Educational Technology, Volume 35, Number 4, p. 421-431. Retirado de: <http://www.ucs.mun.ca/~emurphy/bjet_401.pdf>. 2004.

ROSCHELLE J. & TEASLEY S. The construction of shared knowledge in collaborative problem solving. In: O’Malley, C (Ed.). Computer supported collaborative learning, p. 69-97. Berlin: Springer-Verlag. 1995.

STAKE, R. E. (1995). The Art of Case Study Research. Thousand Oaks, CA: Sage.

SCHUTT, R. Investigating the social world: the process and practice of research, Thousand Oaks, CA: Pine Forge Press. 1999.

VAN BOXTEL, C., VAN DER LINDEN, J.L., & KANSELAAR, G. Collaborative learning tasks and the elaboration of conceptual knowledge, Learning and Instruction, Volume 10, Issue 4, p. 311-330. Disponível em: <https://www.kanselaar.net/wetenschap/files/colllearning_Carla_L&I2000.pdf>. 2000.

YIN, R. Case Study Research: Design and Methods. Thousand Oaks, CA: Sage. 1994.

Downloads

Publicado

2017-12-28

Como Citar

SILVA, V.; COUTINHO, C. Aprendizagem Colaborativa Online e Educação Artística. Revista GEARTE, [S. l.], v. 4, n. 3, 2017. DOI: 10.22456/2357-9854.74289. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/74289. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Design e Cultura Visual no Ensino de Artes Visuais