Habitar o dissenso, germinar alegria

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.116799

Palavras-chave:

Processo de criação. Fabulação. Dissenso. Cooperação. Imaginação Política.

Resumo

Este artigo apresenta o trabalho artístico “Convenção Mundial dos Países Imaginários”, realizado durante uma residência artística na cidade de Nova Lima, Minas Gerais, na Escola Benvinda, que acolheu parte dos estudantes deslocados devido ao crime ambiental ocorrido na cidade de Brumadinho a partir do rompimento da barragem de minério da mineradora Vale do Rio Doce. Trabalhei nessa escola com a turma do terceiro ano do ensino fundamental, na classe da professora Marcia Costa, por aproximadamente um mês. O projeto se deu a partir de uma série de encontros nos quais se buscou a fabulação de uma convenção mundial de países imaginários — mote para se debater conflitos já existentes e para estimular a imaginação de outros possíveis futuros. Partindo dessas premissas, os estudantes participantes tornaram-se responsáveis por elaborar e representar seu respectivo país imaginário bem como sua cultura, escrita, idioma, bandeira, indumentárias, códigos, vozes, valores, desejos, entre outros, colocando-se como protagonistas em um processo de concepção de políticas alternativas para a construção de um novo mundo. Assim, com o intuito de reforçar o papel social da aula como um encontro acontecimental e a valorização da criança enquanto sujeito propositor e criador, o trabalho utilizou a fabulação como um mecanismo para testar procedimentos de negociação e para estimular modos de convívio e de contato a partir do dissenso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Torrezan, Centro de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo — SESCSP, São Paulo/SP

É artista, pesquisador, educador. Pós-dourando pela PUC- SP, Doutor em poéticas visuais, mestre em educação e bacharel em artes visuais pela Unicamp. É pesquisador no Centro de Pesquisa e Formação do Sesc. Em sua prática artística, volta-se a refletir sobre as estruturas de poder que configuram historicamente as organizações coletivas, bem como  suas  constituições  culturais  e identitárias. Realiza trabalhos híbridos para discutir as relações de domínio, a partir das quais se modulam os processos de subjetivação da sociedade. Nesse processo, evoca os campos da sociologia e da geopolítica. Seus trabalhos insurgem de circunstâncias comunitárias específicas. Nesse sentido, as noções de colaboração e de dialogia também vêm sendo exercitadas em sua produção.

Referências

AMORIM, Antonio Carlos. Conversas in-finitas: mudanças climáticas, divulgação científica, educação e.... Disponível em http://climacom.mudancasclimaticas.net.br/conversas-infinitas/?fbclid=IwAR0QY2GRMgXf07RtqgDBxiTd7JaExZl1A75eWZd-SLBStWdPk7f2O2sdw2A. Acesso em 24.02.2021.

DELEUZE, Gilles. Conversações. SP: Editora 34, 2013.

DESPRET, Vinciane; PORCHER, Jocelyne. Être Bête. Arles: Actes Sud, 2007.

FERNÁNDEZ-SAVATER, Amador. Pensar: uma necessidade contemporânea. Disponível em https://urucum.milharal.org/2018/09/23/pensar-uma-necessidade-contemporanea/. Acesso em 18 de fevereiro de 2021.

FERNÁNDEZ-SAVATER, Amador. Pós Capitalismo a dimensão sensível. Disponível em https://outraspalavras.net/pos-capitalismo/pos-capitalismo-a-dimensao-sensivel/ acesso em 18 de fevereiro de 2021.

FERREIRA DA DILVA, Denise. Catálogo da 32 Bienal de São Paulo. Disponível em http://www.bienal.org.br/publicacoes/8077 acesso em 20.02.2021.

GAJARDO, Marcela. Ivan Illich / Marcela Gajardo. Trad e org. José Eustáquio Romão. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010.

HARAWAY, Donna J. When species meet. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2008.

HARAWAY, Donna. Staying with the Trouble: Making Kin in the Chthulucene. Durham and London: Duke University Press. 2016.

HEUSER, Ester Maria Dreher. Fábula da existência seguida de notas sobre a fabulação. In.: CORAZZA, Sandra Mara. Fantasias de escritura – filosofia, educação, literatura. Porto Alegre: Sulina, 2010.

KRENAK. Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das letras, 2019.

LAFUENTE, Antonio. Educação: a aposta radical do oficinar. Disponível em https://outraspalavras.net/descolonizacoes/educacao-a-aposta-radical-do-oficinar/. Acesso em 03.03.2021.

LINS, Daniel. Alegria como força revolucionária, ética e estética dos afetos. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=lK0FzHqHpf8. Acesso em 23.02.2021.

MORAES, Alana. Não existe ‘outro mundo para se construir’. Existem outras relações e modos de vida a se construir nesse mesmo mundo: Entrevista especial com Alana. Disponível em http://www.ihu.unisinos.br/159-noticias/entrevistas/572943-nao-existe-outro-mundo-para-se-construir-existem-outras-relacoes-e-modos-de-vida-a-se-construir-nesse-mesmo-mundo-entrevista-especial-com-alana-moraes. Acesso em 18.02.2021.

SALOMÃO, Waly. Hélio Oiticica: Qual é o parangolé? E outros escritos. São Paulo: Companhia das letras, 1996.

SAMAIN, Etienne. As “Mnemosyne(s)” de Aby Warburg: Entre Antropologia, Imagens e Arte. Revista Poiésis, n 17, Jul. de 2011. Disponível em http://periodicos.uff.br/poiesis/article/download/27032/15733 Acesso em 16.02.2021.

TIQQUN. “Como fazer”…. Disponível em https://issuu.com/n-1publications/docs/cordel_tiqqun. Acesso em 02.03.2021.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

TORREZAN, G. Habitar o dissenso, germinar alegria. Revista GEARTE, [S. l.], v. 8, n. 3, 2021. DOI: 10.22456/2357-9854.116799. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/116799. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Proposições educativas e formativas em arte: do (im)previsível dessas composições aos arranjos e invenções de uma aula