Do lado de cá da linha do Equador: tentavias do pensar/saber/sentir a existência docente em artes visuais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.116795

Palavras-chave:

Formação docente. Ensino de arte. Feminismos. Rituais.

Resumo

Por essa margem de cá do Amazonas, justamente onde a linha do equador fende o mundo, apresento reflexões intimistas sobre a formação inicial de professores em artes visuais.  Falo e escrevo como penso, sistematizo e operacionalizo aulas ministradas no Curso de Licenciatura em Artes Visuais da Universidade Federal do Amapá CLAV/UNIFAP. Problematizo correlações atinentes aos argumentos de Visualidades, Ciência e Arte que se instituem, aferindo importância e necessidade da universidade e do professor na vida social. Assim, a condição da visualidade como força de construção/produção dos modos de ver se aliam à dinâmica de aprendizados rituais, considerando corpo, mente, sensações e, vivências de uma cultura filógina. As dinâmicas rituais sinalizam outros envolvimentos e decerto mobilizam outras dimensões da existência na universidade. Assim, a orientação impulsiona tentavias da invent/Ação no horizonte da criação e autonomia docente e a vida em sala de aula. Essas ideias aliam-se pelo fazer e o pensar, de inspiração feminista com a materialidade da arte, empreendem e compõem a experiência profissional entre cartografias sentimentais na formação de professores em artes visuais. Concluo com o interesse reflexivo de fazer pensar pela prática, almejando deslocamentos e descolamentos perceptivos das relações com a educação, da arte e seu ensino no espaço acadêmico, sobretudo relações pautadas pelas vivências sensoriais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Carla Marques Costa, Universidade Federal do Amapá — UNIFAP, Macapá/AP

Doutora em Sociologia. Mestre em Arte e Cultura Visual. Especialista em Instituições Culturais. Professora da Universidade Federal do Amapá. Tem interesse por questões da visualidade e processos de aprendizagem na formação inicial e continuada de professores em artes visuais. Abordagem acerca das relações estéticas nos mundos da arte e poéticas nos processos culturais nas cidades. Atua principalmente nos seguintes temas: Processos educativos em Arte, Poéticas Sociais, Feminismo, estéticas urbanas e cotidiano.

Referências

CORRÊA, Diogo Silva; BALTAR, Paula. O antinarciso no século XXI: a questão ontológica na filosofia e na antropologia. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 123, p. 143-166, dez. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.4000/rccs.11227. Acesso em: 02 mar. 2021.

COSTA, Claudia de Lima. Os estudos culturais na encruzilhada dos feminismos materiais e descoloniais. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 44, p. 79-103, jul./dez. 2014. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/elbc/n44/a05n44.pdf>. Acesso em: 12 dez. 2020.

COSTA, Silvia Carla Marques. “Ser professor/a”: um estudo de representações orais e visuais de um grupo de licenciandos da UNIFAP. 2011. 127 f. Dissertação (Mestrado em Cultura Visual) – Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Artes Visuais, Programa de Pós-Graduação em Cultura Visual. Goiânia, 2011. Disponível em: <http://repositorio.bc.ufg.br/tede/bitstream/tde/2764/1/Dissertacao%20Silvia%20Carla%20Marques%20Costa.pdf> Acesso em: 10 jan. 2021.

MARTINS, Alice Fátima. Outros fazedores de cinema. Porto Alegre, RS: Zouk, 2019.

PEIRANO, Mariza G. S. Análise antropológica de rituais. Brasília, 2000. Disponível em: <http://www.dan.unb.br/images/doc/Serie270empdf.pdf>. Acesso em: 03 dez. 2020.

PEIRANO, Mariza; MACHADO, Lia Zanotta. Etnografia e rituais. Texto apresentado no seminário "A etnografia na trajetória de Mariza Peirano e Lia Zanotta Machado", do Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília, em 15 de abril de 2015. Disponível em: <http://www.marizapeirano.com.br/diversos/2015_trajetoria_mariza_e_lia.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2021.

RAGO, Margareth. Feminizar é preciso: por uma cultura filógina. São Paulo em Perspectiva. [online]. 2001, v. 15, n. 3, p. 53-66. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392001000300009" http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392001000300009>. Acesso em: 18 maio 2020.

RODRIGUES, Lea Carvalho. Da sala de aula a defesa de tese: processo, ritualização e legitimação do conhecimento, uma etnografia na Unicamp. 1996. 152 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Campinas. Departamento de Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH), Campinas, SP, 1996. Disponível em: <http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/279039/1/Rodrigues_LeaCarvalho_M.pdf" http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/279039/1/Rodrigues_LeaCarvalho_M.pdf> Acesso em: 03 jun. 2016.

ROLNIK, Suely. Lygia Clark e o híbrido arte/clínica, 2015. Disponível em: <https://caosmose.net/suelyrolnik/pdf/Artecli.pdf>. Acesso em: 03 dez. 2020.

TAVARES, Marianna C. C.; BARBALHO, Maria Goretti C. A assistência estudantil universitária no Brasil: direito, favor ou investimento? Goiás: UFG, 2021. (no prelo)

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

COSTA, S. C. M. Do lado de cá da linha do Equador: tentavias do pensar/saber/sentir a existência docente em artes visuais. Revista GEARTE, [S. l.], v. 8, n. 3, 2021. DOI: 10.22456/2357-9854.116795. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/116795. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Proposições educativas e formativas em arte: do (im)previsível dessas composições aos arranjos e invenções de uma aula