Uma estética da violência presente no cinema brasileiro e o apagamento de mulheres negras nas produções audiovisuais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.100752

Palavras-chave:

Mulheres negras. Cinema. Visibilidade. Cineastas negras. Estética.

Resumo

Pensar na história do cinema brasileiro e mulheres negras em conjunto ainda soa como um par muito distante, devido ao apagamento dessas produtoras na história do cinema de nosso país. Este artigo foi iniciado a partir das inquietações que surgiram ao pesquisar notícias veiculadas pela EBC (Empresa Brasileira de Comunicação) a respeito da participação de mulheres como cineastas e da não visibilidade da participação de cineastas negras nesse cenário. Essas mulheres não existiam nesse cenário ou seria essa mais uma consequência da invisibilidade de nossxs corpxs? 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bárbara Cezano Rody, Universidade Federal de Pelotas — UFPel, Pelotas/RS

Possui graduação em Licenciatura pelo curso de Artes Visuais da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), atuando em projeto de pesquisa em torno da fotografia, voltado para estudos sobre vivências cotidianas e seus imaginários em diferentes contextos, junto ao Núcleo de Pesquisa Photographein e desenvolvendo de forma autônoma a ideia do professor-artista pensando performance como um ato educativo. Participou da fundação do Centro Cultural Marrabenta, Pelotas-Maputo, ajudando na produção de eventos culturais, com o fim de promover a cultura negra local e de Maputo (Moçambique) e contribuir com produções digitais. As vivências nesse espaço levaram a criar o The Black Cine, Mostra de Cinema Negro. Atualmente é mestranda do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais pela UFPel, na Linha de Pesquisa: Educação em Artes e Processos de Formação Estética Área: Audiovisual, bolsista do programa DS/CAPES e integrante do grupo de pesquisa de Caixa de Pandora. 

Larissa Patron Chaves, Universidade Federal de Pelotas — UFPel, Pelotas/RS

Professora Associada do Centro de Artes da Universidade Federal de Pelotas. Possui Graduação em Artes Visuais pela Universidade Federal de Pelotas, Mestrado em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Doutorado em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, com período de atuação em estágio de doutoramento na Universidade do Porto (Portugal) e Pós Doutorado em História, pelo Centro de Investigação em Ciência Política da Universidade de Évora, Portugal. Possui trabalhos desenvolvidos na área de mobilidade acadêmica na UFPel, orientando estágios de graduação através de convênios com universidades latino americanas, portuguesas e espanholas. Coordena o grupo multidisciplinar de pesquisa "Imaginária Sacra no Rio Grande do Sul" colaborando com a comunidade paroquial de Pelotas e museus locais no levantamento, catalogação e salvaguarda do patrimônio sacro da cidade e região. Atualmente integra o corpo docente permanente do Mestrado em Artes Visuais e o corpo docente permanente do Mestrado e Doutorado em História, ambos da Universidade Federal de Pelotas.

Referências

BOLAÑO, César; GOLIN, Cida; BRITTOS, Valério. (Orgs.). Economia da arte e da cultura. Centro de Documentação e Referência Itaú Cultural. São Paulo: Itaú Cultural; São Leopoldo: Cepos/Unisinos; Porto Alegre: PPGCOM/UFRGS; São Cristóvão: Obscom/UFS, 2010.

CLEMENTE, Marcos Edílson de Araújo. Cangaço e cangaceiros: histórias e imagens fotográficas do tempo de Lampião. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, São Paulo, v. 4, n. 4, p. 1-18, out./dez. 2007.

DEUS e o Diabo na Terra do Sol. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br

/obra70172/deus-e-o-diabo-na-terra-do-sol>. Acesso em: 07 de jun. 2020. Verbete da Enciclopédia. ISBN: 978-85-7979-060-7

GATTI, André Piero. Embrafilme e o cinema brasileiro [recurso eletrônico]. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 2007. Disponível em: <https://www.academia.edu/420392/Cole%

C3%A7%C3%A3o_Cadernos_De_Pesquisa> Acesso em: 07 de jun. 2020.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. 2ª ed. – São Paulo: WMF Martins Fontes, 2017.

NEVES, Anderson Rodrigues. Entre o western e o nordestern: os possíveis diálogos entre Lima Barreto e Glauber Rocha no cinema de cangaço (O Cangaceiro – 1953 e Deus e o Diabo na Terra do Sol – 1964). In: XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, 2011, São Paulo. Anais [XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH]. São Paulo, p. 1-9.

O Cangaceiro. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra67286/o-cangaceiro>. Acesso em: 07 de jun. 2020. Verbete da Enciclopédia. ISBN:978-85-7979-060-7

OLIVEIRA, Janaína. Diálogos Ausentes. In: Itaú Cultural. São Paulo: Itaú Cultural, 2016. Disponível em: <https://www.itaucultural.org.br/janaina-oliveira-dialogos-ausentes-2016> Acesso em: 25 jun. 2018.

PEREIRA, Miguel. O Columbianum e o cinema brasileiro. ALCEU, v. 8, n.15, p. 127-142, jul./dez. 2007.

ROCHA, Glauber. Uma estética da fome. Revista Civilização Brasileira, n. 3, p. 165-170, jul.1965.

SACRAMENTO, Evelyn dos Santos. Adélia Sampaio: uma cineasta que ousou ser. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13 th Women’s Worlds Congress, 2017, Florianópolis. Anais Eletrônicos. Florianópolis, p. 1-10. ISSN 2179-510X. Disponível em: <http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1503004228_ARQUIVO_EvelynSacramento-AdeliaSampaio.pdf> Acesso em: 20 jun. 2019.

SAMPAIO, Adélia. Cineasta fala sobre Amor Bandido. Portal Infonet. Entrevista concedida Kátia Susanna. Aracaju, 24 de fevereiro de 2016. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=BSlu-PRHPhs> Acesso em: 20 jun. 2018.

SIEGA, Paula. A estética da fome: Glauber Rocha e a abertura de novos horizontes. CONFLUENZE, Dipartimento di Lingue e Letterature Straniere Moderne, Università di Bologna, v. 1, n. 1, p. 158-177, 2009.

VERDÉLIO, Andreia. Caixa Cultural abre mostra de filmes de diretoras negras em Brasília. Agência Brasil – Empresa Brasileira de Comunicação (EBC). Brasília, 04 de setembro de 2017. Seção Geral. Disponível em:<http://agenciabrasil.ebc.com.br/cultura/noticia/2017-07/caixa-cultural-abre-mostra-de-filmes-de-diretoras-negras-em-brasilia > Acesso em: 31 ago. 2019.

VIEIRA, Isabela. Pesquisa revela que mulheres negras estão fora do cinema nacional: pesquisa mostra que apesar de ser a maior parte da população feminina. Agência Brasil - Empresa Brasileira de Comunicação (EBC). Rio de Janeiro, 06 de julho de 2014. Seção Geral. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/cultura/noticia/2014-07/pesquisa-revela-que-mulheres-negras-estao-fora-do-cinema-nacional> Acesso em: 31 ago. 2019.

VIEIRA, Isabela. Cinema negro no Brasil é protagonizado por mulheres, diz pesquisadora. Agência Brasil – Empresa Brasileira de Comunicação (EBC). Rio de Janeiro, 26 de dezembro de 2015. Seção Geral. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/cultura/noticia/2015-12/cinema-negro-no-brasil-e-protagonizado-por-mulheres-diz-pesquisadora> Acesso em: 31 ago. 2019

Downloads

Publicado

2020-07-17

Como Citar

RODY, B. C.; CHAVES, L. P. Uma estética da violência presente no cinema brasileiro e o apagamento de mulheres negras nas produções audiovisuais. Revista GEARTE, [S. l.], v. 7, n. 2, 2020. DOI: 10.22456/2357-9854.100752. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/100752. Acesso em: 8 fev. 2023.

Edição

Seção

Ensino das Artes Visuais e do Design: abordagens transdisciplinares