CinEducar e Partejar Potiguara: o ensino do cinema para mulheres indígenas como ferramenta de (re)existência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.100073

Palavras-chave:

Cinema e educação. Partejar Potiguara. Mulheres indígenas. Povo Potiguara da Paraíba. Documentário audiovisual indígena.

Resumo

Este artigo visa a analisar algumas experiências vividas em campo no projeto de extensão universitária Partejar Potiguara, que propôs aulas de cinema para mulheres indígenas na região da Baía da Traição (PB) em 2019. O objetivo é analisar os atravessamentos e afetos gerados na busca por uma metodologia engajada e transgressora dentro de um contexto de lutas sociais e resistência cultural. Desde a seleção bibliográfica da pesquisa e as dificuldades encontradas nas aulas à execução do produto final (um documentário sobre parto, maternidade, vida e identidade), o propósito é compreender o ensino das artes visuais e a produção cinematográfica como ferramenta política de valorização da identidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Micaelle Lages Lucena, Universidade Federal da Paraíba — UFPB, João Pessoa/PB

Graduanda em Cinema e Audiovisual pelo Departamento de Comunicação da Universidade Federal da Paraíba. Pesquisadora integrante do projeto de extensão Partejar Potiguara e do TATO- laboratório de pesquisa em imagens, corpos e afetações.

Isabella Chianca Bessa Ribeiro do Valle, Universidade Federal da Paraíba — UFPB, João Pessoa/PB

Fotógrafa, pesquisadora e professora doutora no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e do Departamento de Comunicação da Universidade Federal da Paraíba. Mestre em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, com dissertação sobre fotografia e tecnologias digitais, desenvolveu sua tese de doutorado no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) a respeito das mulheres fotógrafas do Recife. É bacharel em Comunicação Social/Jornalismo pela mesma UFPE, estudou Comunicación Audiovisual na Universidad de Sevilla (Espanha) e é colaboradora do Laboratoire Arts des Images et Art Contemporain na Université Paris 8 (França), onde foi pesquisadora convidada. Atualmente integra o coletivo 7Fotografia, de mulheres fotógrafas; cocoordena o projeto de extensão Partejar Potiguara, com mulheres indígenas e coordena o TATO – laboratório de pesquisa em imagens, corpos e afetações.

Referências

AUMONT, Jacques. Olho interminável: cinema e pintura. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

BARBOSA, Andréa. Antropologia e imagem. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

CABRAL, Cléber; BORGES, Diogo. Rizoma: uma introdução aos Mil Platôs de Deleuze e Guattari. Revista Critério [on-line], v. 1, n. 4, 2005.

COSTA, Adriane Camilo; MARTINS, Alice Fátima. O cinema como mediador na educação da cultura visual. Visualidades, v. 6, n. 1 e 2, 2012.

DE BARROS, Laura Pozzana; KASTRUP, Virgínia. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; DA ESCÓSSIA, Liliana. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis/RJ: Vozes, 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Terra e Paz, 1996.

FREIRE, Paulo. Cartas à Guiné-Bissau: registros de uma experiência em processo. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

MIGLIORIN, Cezar. Cinema e escola, sob o risco da democracia. In: FRESQUET, Adriana. Dossiê cinema e educação #1: uma relação sob a hipótese de alteridade de Alain Bergala. Rio de Janeiro: Booklink; CINEAD-LISE-FE/UFRJ, 2011. p. 130-136.

MOGADOURO, Cláudia. A perspectiva indígena no cinema. Grupo Cinema Paradiso, 2016. Disponível em: http://www.grupocinemaparadiso.com.br/2016/04/a-perspectiva-indigena-no-cinema.html. Acesso em: 19 jan. 2020.

MORIN, Edgar. O problema epistemológico da complexidade. 3. ed. Mira-Sintra/Portugal: Publicações Europa América, 2002.

NUNES, Karliane Macedo; DA SILVA, Renato Izidoro; SILVA, José de Oliveira dos Santos. Cinema indígena: de objeto a sujeito da produção cinematográfica no Brasil. Polis [on-line], n. 38, 2014. Disponível em: http://journals.openedition.org/polis/10086. Acesso em: 18 jan. 2020.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; DA ESCÓSSIA, Liliana. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

PEREIRA, Eliana Alves et al. A contribuição de John Dewey para a Educação. Revista Eletrônica de Educação. São Carlos, São Paulo: UFSCar, v. 3, n. 1, p. 154-161, 2009.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

SLEUTJES, Maria Helena Silva Costa. Refletindo sobre os três pilares de sustentação das universidades: ensino-pesquisa-extensão. Revista de Administração Pública, v. 33, n. 3, p. 99-101, 1999.

TARKOVSKI, Andrei. Esculpir o tempo. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ZANETTI, Daniela. Cenas da periferia: autorrepresentação como luta por reconhecimento. E-Compós, v.11, n.2, 26 jan. 2009. Disponível em: https://e-compos.emnuvens.com.br/e-compos/article/view/218. Acesso em: 18 jan. 2020.

Downloads

Publicado

2020-07-17

Como Citar

LUCENA, M. L.; VALLE, I. C. B. R. do. CinEducar e Partejar Potiguara: o ensino do cinema para mulheres indígenas como ferramenta de (re)existência. Revista GEARTE, [S. l.], v. 7, n. 2, 2020. DOI: 10.22456/2357-9854.100073. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/100073. Acesso em: 1 fev. 2023.

Edição

Seção

Ensino das Artes Visuais e do Design: abordagens transdisciplinares