As Teorias da Socialização e o Novo Paradigma para os Estudos Sociais da Infância

Autores

  • Rita Marchi UFSC

Palavras-chave:

Sociologia da infância. Teoria da socialização. Institucionalização da infância

Resumo

Este artigo apresenta a crítica contemporânea, realizada no âmbito da denominada nova Sociologia da Infância (SI), às abordagens clássicas da socialização. Os estudos nesse novo campo interrogam sobre as imagens tradicionais da infância, da criança e de sua educação, propondo a desconstrução da obviedade e legitimidade presentes no paradigma tradicional da infância como fase ‘natural e universal’ da vida e das crianças como objetos passivos da socialização adulta. O princípio da criança-ator incita a se passar da visão determinista com ênfase nos fatores estruturais que pesam sobre ação social para a análise da capacidade de ação (agency) da criança e o princípio da construção social da infância questiona a idéia desta como categoria definida simplesmente pela biologia e passa a entendê-la como variável do ponto de vista histórico, cultural e social e sempre sujeito a um processo de negociação tanto na esfera pública quanto na privada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rita Marchi, UFSC

Doutorado em Sociologia Política (UFSC/ParisV-Sorbonne). Mestrado em Antropologia Social (UFSC). Professora de Sociologia da Educação e Teoria Sociológica.Realiza estudos nas áreas de Sociologia da Infância e Antropologia da Criança, com os seguintes temas: infância contemporânea, infância pobre, bandos urbanos, trabalho infantil, ‘vida de rua’, construção social da infância.

Arquivos adicionais

Publicado

2008-04-30

Como Citar

Marchi, R. (2008). As Teorias da Socialização e o Novo Paradigma para os Estudos Sociais da Infância. Educação &Amp; Realidade, 34(1). Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/8467

Edição

Seção

Artigos