Finitude, “Frequentação do Mundo” e Formação Humana em Michel de Montaigne

Autores

  • Rosana Silva de Moura Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis/SC – Brasil

Palavras-chave:

Michel de Montaigne. Finitude. “Frequentação do Mundo”. Formação Humana. Filosofia da Educação.

Resumo

O artigo propõe pensar a formação humana a partir
de alguns aspectos da filosofia de Michel de Montaigne que nos são dados
no texto clássico Ensaios. Inicialmente apresenta-se um desenho da época
renascentista, chão de sua perspectiva antropológica, marcada pela importância
do homem no mundo. Tendo por base uma hermenêutica dos ensaios
montaigneanos, interpreta-se a ideia de finitude e de frequentação
postas pelo autor enquanto elementos fundantes de seu horizonte filosófico.
A contribuição da filosofia da educação de Michel de Montaigne aponta,
justamente, para o caráter aberto e inconclusivo (e, por isso, rico) da vida,
da formação humana e da educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosana Silva de Moura, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis/SC – Brasil

é professora no Programa de Pós-graduação em
Educação da Universidade Federal de Santa Catarina, em Filosofia da Educação.
Doutora e Mestre em Educação (UFRGS). Graduação em História
pela UFRGS. Integra o Grupo de estudos e pesquisas em filosofia da educação
e arte/Grafia (UFSC).

Publicado

2014-09-23

Como Citar

Moura, R. S. de. (2014). Finitude, “Frequentação do Mundo” e Formação Humana em Michel de Montaigne. Educação &Amp; Realidade, 39(4). Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/41353

Edição

Seção

Artigos