O Trote Universitário como Violência Espetacular

Autores

  • Antonio Alvaro Soares Zuin UFSCar

Palavras-chave:

Trote. Universidade. Sociedade do Espetáculo. Teoria Crítica. Indústria Cultural.

Resumo

As origens dos trotes são tão antigas quanto à própria universidade. As barbáries cometidas pelos veteranos em seus calouros, por ocasião do ingresso na vida universitária, podem ser observadas desde as primeiras universidades europeias. Esse artigo tem como principal objetivo investigar as determinações históricas do trote universitário e argumentar que, diante da chamada sociedade do espetáculo, o trote encontra, nas novas tecnologias, um espaço bastante profícuo não só para ser divulgado, como também para reforçar o seu recrudescimento. Nessa sociedade, somente as imagens de barbáries mais cruéis, incluindo as dos trotes, é que se destacarão frente às demais e, assim, conquistarão a atenção dos seus consumidores que se tornam ávidos pelo contato com estímulos audiovisuais cada vez mais chocantes e agressivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Alvaro Soares Zuin, UFSCar

Antonio Alvaro Soares Zuin é professor associado do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos. É pesquisador 1C do CNPq e assessor da FAPESP. Coordena o grupo de pesquisa: Teoria Crítica e Educação – UFSCar.

Arquivos adicionais

Publicado

2011-08-05

Como Citar

Zuin, A. A. S. (2011). O Trote Universitário como Violência Espetacular. Educação &Amp; Realidade, 36(2). Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/13132

Edição

Seção

Artigos