Trajetórias Formativas de Musicistas Negros no Pós-Abolição (1890-1930)

Autores

Palavras-chave:

Pós-abolição. Educação da população negra. Musicistas negros.

Resumo

Este artigo tem por objetivo visibilizar as memórias de musicistas negros acerca de suas trajetórias formativas no pós-abolição carioca (1890-1930). A partir da análise de entrevistas orais do Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro (MIS), procura-se mostrar os valores e saberes que tais musicistas consideravam importantes para a sua formação e a maneira como entenderam e viveram a educação. Focalizamos as estratégias empreendidas para acessar a escola e os conhecimentos formais, situando suas experiências nos debates historiográficos sobre educação escolar e sublinhando a agência da população negra. Nossa análise constata que tais sujeitos foram relativamente exitosos em suas tentativas de aquisição de saberes escolares, mesmo quando a escola não esteve ao seu alcance, e jamais ignoraram a importância de tais saberes. Também evidenciamos a operação de poderosas barreiras socioraciais ao acesso e permanência desses musicistas na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lurian José Reis da Silva Lima, Universidade Federal Fluminense

Lurian José Reis da Silva Lima é doutorando em História na Universidade Federal Fluminense. Professor de História da Música na Universidade Estadual do Paraná.

Ana Tereza Reis da Silva, Universidade de Brasília (UnB)

Ana Tereza Reis da Silva é professora Associada da Universidade de Brasília (UnB). Lider do Grupo de Pesquisa Educação, Saberes e Decolonialidades (Gpdes/UnB/CNPq).

Publicado

2022-08-02

Como Citar

Reis da Silva Lima, L. J., & Reis da Silva, A. T. (2022). Trajetórias Formativas de Musicistas Negros no Pós-Abolição (1890-1930). Educação &Amp; Realidade, 47. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/116429

Edição

Seção

Artigos