Julieta Battistioli: a trajetória militante de uma operária comunista

Autores

  • GUILHERME Machado Nunes IFC-Campus Videira e PPGH/UFRGS

Palavras-chave:

Biografia, comunismo, mulheres.

Resumo

O presente artigo pretende discutir a trajetória de militância da operária têxtil Julieta Battistiolli no Partido Comunista do Brasil (PCB) na metade do século XX.Nascida em Palmares, no Rio Grande do Sul, em 1907, logo cedo Julieta mudou-se para Porto Alegre, onde, com 13 anos de idade, começou a trabalhar nas Indústrias Renner e, aos 19, casou com o militante comunista e filhos de italianos Fortunato Battistiolli.
Ao longo dos anos 1940 e 1950, Julieta será figura importante nas associações femininas do PCB, ajudando a organizar congressos femininos em Porto Alegre e participando ativamente de atividades da Federação de Mulheres do Rio Grande do Sul, entidade ligada ao Partido, além de tornar-se uma figura de destaque no meio sindical gaúcho. Esse percurso fez com que Julieta fosse a primeira vereadora de Porto Alegre, em 1948. Mais do que analisar o mandato, o objetivo é compreender quais caminhos possibilitaram que Julieta ocupasse esse espaço, até então exclusivamente masculino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

GUILHERME Machado Nunes, IFC-Campus Videira e PPGH/UFRGS

Doutorando no PPGH/UFRGS.

Downloads

Publicado

2020-08-13

Como Citar

NUNES, G. M. Julieta Battistioli: a trajetória militante de uma operária comunista. Revista Aedos, [S. l.], v. 12, n. 26, p. 580–609, 2020. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/aedos/article/view/96891. Acesso em: 13 ago. 2022.